sexta-feira, 25 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 46 ULTIMOS CAPITULOS

Era mais do que Joseph poderia suportar. Lágrimas queimaram suas pálpebras e suas narinas com o esforço que ele exerceu para não perder completamente a compostura.
Ignorando o suspiro assustado de Dianna sobre o fato de Demetria haver falado, ele se concentrou apenas em sua bela esposa e assegurando-lhe que estava segura e com aqueles que amava.
“Não tente falar, meu amor,” disse ele ternamente. “Sua garganta deve estava doendo. Você soa como um sapo coaxando.”
Demetria fez uma careta e levantou a mão para sua garganta. “Eu gritei, pensando que alguém fosse ouvir. Estava tão escuro.” Ela parou, as lágrimas nadando em seus olhos quando ela chupou em respirações profundas através de suas narinas. “Estava com tanto medo. Ele pretendia me manter lá.”
Sua voz sumiu completamente, mesmo quando sua boca ainda se movia como se tentasse falar. Ele colocou um dedo sobre os lábios, calando-a. Em seguida, seguiu seu dedo com seus próprios lábios e beijou-a, longo e doce, absorvendo a sensação de ser capaz de tocá-la e cheirá-la e saborear dentro para saber que ela estava a salvo do perigo. Que sobreviveu e ele não a tinha perdido.
Ele encostou a testa na dela, e então simplesmente recolheu-a em seus braços e abraçou-a, balançando para frente e para trás enquanto corria a mão para cima e para baixo em suas costas.
Depois de um momento, ela ficou completamente imóvel. Ela colocou as mãos em seus braços e se afastou para que pudesse ver seu rosto. Seu olhar foi além dele e examinou o quarto, e ele sabia que ela só percebeu agora que estava na casa de seus pais.
Ele olhou para trás, esperando ver Dianna ainda ali, mas a câmara estava vazia. Dianna tinha escapado, dando privacidade ao casal depois que Demetria tinha despertado.
Demetria tocou seu rosto, a testa franzida em confusão.
Joseph suspirou. “Não fale. Apenas me escute. Seu pai chegou a Jonas com a força de todo o seu exército. Ian deve ter lhe enviado uma mensagem que ele recebeu apenas após eu ter enviado minha própria convocação. Eu não sei o que a mensagem dizia. Ainda questionarei o seu pai, mas isso deve tê-lo feito com medo por você, porque a primeira coisa que ele perguntou foi para saber o seu paradeiro.”
Demetria franziu a testa.
“Antes da chegada do seu pai, Kierstan quebrou e confessou que conspirou com Ian McHugh e que ela a levou ao redor do lado do castelo para que Ian pudesse raptar você. Ele foi auxiliado por três dos meus homens. Seu pai e seus homens montaram comigo e com os meus para o castelo de McHugh e eu virei o castelo de cabeça para baixo até que eu finalmente a descobri em um quarto escondido fora do calabouço. Depois que a levei para fora, eu deixei você com seu pai o tempo suficiente para matar Ian por seu crime. Eu só queria voltar para o nosso castelo para que eu pudesse ter certeza de que estava tudo bem com você, mas o seu pai pediu para vir aqui uma vez que era mais perto.”
Ele fez uma pausa e depois reuniu as mãos de Demetria nas suas. “Eu disse a seu pai tudo. Ele sabe que você permitiu que seu clã pensasse que era maluca pelo acidente e por quê. Ele estava profundamente perturbado. Pensei que se nós ficassemos aqui por alguns dias, enquanto você se recuperava, que lhe daria tempo com sua família para, talvez, dizer-lhes tudo o que você queria dizer a eles por tanto tempo.”
Os lábios de Demetria viraram para baixo em uma expressão de tristeza. Ela fechou os olhos brevemente, mas Joseph tocou seu rosto até que olhou para ele.
“Não se preocupe, Demetria. Estou com você. Sempre estarei com você. Estarei por você quando você falar com seus pais pela primeira vez. Eu não vou permitir a chatearem.”
Ela assentiu com a cabeça, os ombros levantando quando deixou escapar um longo suspiro. “É bom que eles saibam. Eu odiava enganá-los assim.”
“Sim, eu sei isso,” disse Joseph suavemente.
Ele a beijou novamente, valorizando ser capaz de fazê-lo quando temia nunca vê-la novamente. Nunca a segurar novamente. Nunca ter a chance de dizer a ela tudo o que estava em seu coração.
Agora não era o momento, mas em breve. Ele estava próximo a rebentar com tudo o que ele queria dizer. Mas primeiro ele iria cuidar dela. Certificar-se de que ela tinha comida e descanso.
“Você gostaria de ver sua mãe e seu pai agora? Eu vou descer por alimento e água quente para um bom banho. Você pode vê-los agora ou depois que você comer e se limpar.”
“Depois,” ela resmungou num murmúrio tenso.
Ele acenou com a cabeça e depois se levantou para ir contar à mãe tudo o que Demetria necessitava.
Demetria submergiu na banheira de madeira até que a água fumegante lambeu-lhe o queixo. Ela fechou os olhos e permitiu que o calor se infiltrasse em seus ossos, substituindo o frio dolorido e levando longe a dor de seus músculos.
Joseph reuniu seu cabelo quando caiu sobre as costas e começou a escovar os emaranhados dos fios. Saboreou seu toque, o conforto de ter-lhe tão perto. Ela não temia nada, quando ele estava com ela.
Quando ele terminou de escovar os cabelos, puxou-a em torno de um ombro e deixou cair na água. Então ele pegou uma jarra de barro e ajoelhou-se para que pudesse mergulhá-lo na água.
Ele virou o rosto para que ela pudesse ver a sua boca e em seguida, instruiu-a a sentar-se para frente para que ele pudesse lavar os cabelos.
Foi uma experiência emocionante ter este guerreiro duro tão ternamente lavando e livrando suas dores e sujeira. Ela nunca se sentiu tão valorizada. Tão... amada.
O pensamento enviou uma dor feroz em sua própria alma. O que ela não daria para ser capaz de ouvir essas palavras de seus lábios. Ela daria qualquer coisa para ter um dia, quando pudesse ouvir. Só para se alegrar com o som de algo tão simples como algumas palavras faladas do coração de seu marido.
Ela fechou os olhos e sentou-se inerte enquanto ele terminava de ensaboar e enxaguar os cabelos e depois, quando ele lavou o resto do seu corpo, até mesmo os dedos dos pés.
Quando seu pé escorregou de volta para dentro da água, ele se inclinou sobre a banheira e capturou sua boca em um beijo profundo e explorando. Foi um pouco menos suave do que seus beijos tinha sido quando ela ainda estava na cama.
Havia um desespero sobre ele, quase como se estivesse ainda convencendo-se de que ela estava aqui e estava segura. Sua palma embalou o queixo e segurou-a como seu beijo se aprofundou e sua língua deslizou sensualmente sobre a dela.
Eu te amo.
As palavras que ela tentou dizer simplesmente não saíram. Elas morreram dolorosamente em sua garganta, a força para vocalizar isso.
Joseph se afastou, seu olhar nunca a deixando quando chegou para uma das roupas de secagem. Ele tomou sua mão, ajudou-a a seus pés, e ajudou-a passar por cima da borda e no chão da câmara. Imediatamente ele envolveu-a dos pés à cabeça no linho e conduziu-a para a fogueira, onde um prato de pão e queijo, juntamente com um prato de guisado de coelho, a aguardava.
“Eu quero que você coma devagar,” instruiu.
Ela assentiu, muito feliz em cumprir o seu ditame.
O fogo aqueceu a pele, ela chupou o caldo de sua colher e saboreou o rastro de calor em sua garganta. Isso acalmou a crueza e umedeceu a carne devastada.
Ela comeu até a exaustão e ela mal conseguia segurar a cabeça por mais tempo. Reação em conjunto e para seu desgosto ela começou a tremer violentamente.
Foi uma estupidez. Ela estava segura. Estava a quilômetros de distância de Ian McHugh, e ele estava morto de qualquer maneira. E ainda assim ela não conseguia parar de tremer. Ela não conseguia parar de penar que ela ainda poderia estar naquele calabouço escuro algemada à parede.
Joseph varreu-a em seus braços e a levou de volta para a cama. Ele deixou de lado a roupa que a envolvia e puxou o vestido de lã por cima de sua cabeça. Tendo tempo apenas o suficiente para tirar as botas, ele colocou-a sob as peles e arrastou a seu lado, puxando-a para o seu corpo de modo que seu calor infiltrou nela.
Ele esfregou as mãos para cima e para baixo em sua volta, até que finalmente um pouco de seu pânico desapareceu e ela ficou mole contra ele. Beijou sua testa, o cabelo ainda úmido, na concha de sua orelha. Sua respiração soprou quente sobre seu rosto e ela se aconchegou mais em seu abraço, ela fechou os olhos.
Ela teria de enfrentar sua família quando despertasse. Talvez até lá, sua voz teria retornado e ela seria capaz de dar-lhes as palavras para explicar o que tinha feito.


e entao o que acharam do video de ontem? é pra ja se preparem pro que virá, aginal como puderam ver, ja estamos acabando com essa fic
detalhe, a proxima é de autoria de alguem que nao sabe escrever nada, embora as ideias sao boas, entao se nao gostarem, ja estao avisados


sim eu que escrevi.


2 comentários:

  1. Ai meu coração, que coisa mais fofa... posta mais

    ResponderExcluir
  2. ai que coisa mais linda <3 <3 <3
    Joseph tao fofo

    Posta Logo

    ResponderExcluir