segunda-feira, 28 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 47 ANTEPENULTIMO

Joseph sentou apoiado na cama, Demetria aconchegada em seu colo, seus braços em volta dela em apoio quando ela enfrentou seus irmãos e seus pais com algo que tinha retido por longo tempo. A verdade.
Ele sentou-se em silêncio, simplesmente segurando-a enquanto ela engoliu sua coragem e mergulhou em frente com toda a história, terminando com sua captura por Ian McHugh e do terror que sentiu que ele completaria todas as promessas que fez quando ela era muito mais jovem.
Raiva surgiu nos rostos de Brodie e Aiden. Lágrimas brilhavam nos olhos de seu pai, e ele nem sequer encontrou o olhar de Demetria. Vergonha expressava suas características e doeu a Demetria ver a dor em seu rosto. Sua mãe estava chorando baixinho, mas havia também a alegria em seus olhos, o que animou Demetria.
Eles não estavam com raiva. Suas emoções pareciam correr de alegria à tristeza. E raiva por Ian McHugh. Mas não para ela.
Ela caiu contra Joseph, recebendo conforto em seu abraço. Ela agradeceu por sua força, precisando cada grama que ela podia ter para enfrentar a sua família.
“Por que você não me contou?” Brodie perguntou, tristeza em seu olhar, enquanto olhava para Demetria. “Você tem que saber que eu teria defendido você.”
“Você não poderia ter mudado a mente de papai,” disse ela.
“Eu quem devo assumir a culpa por tudo o que você sentiu forçada a fazer,” disse seu pai, sua expressão tensa.
“Não!” Demetria negou. “Por favor, eu não posso suportar ver todos vocês tão triste. Foi uma coisa estúpida de se fazer. Eu aceito isso. Não me arrependo de minhas ações, porque talvez as coisas não fossem como são agora. Mas não era uma coisa boa nem foi culpa sua. Eu menti. Enganei. Tornei-me enredada numa teia eu não podia escapar. Eu só queria que você soubesse a verdade agora e para você também saber que eu não o culpo. Eu não estou com raiva. Eu te amo.”
A mãe dela se levantou de seu assento ao lado do pai de Demetria e veio para frente, onde Demetria estava sentada no colo de Joseph. Ela estendeu os braços e Demetria foi de bom grado, abraçando sua mãe tão ferozmente como sua mãe a abraçou.
Fazia tanto tempo desde que ela tinha tido esse contato com a mãe e ela saboreou o calor e o amor de algo tão maravilhoso como o abraço de uma mãe. Mesmo que ela não fosse mais uma criança, ela não era tão velha que não tinha necessidade de conforto de sua mãe. Não existia um sentimento melhor no mundo.
Sua mãe se afastou, emoldurando o rosto de Demetria. Lágrimas deslizaram pelo rosto de sua mãe, mas ela sorriu, os olhos brilhando de amor e perdão.
“É verdade, então, você pode ler tudo o que eu digo apenas olhando meus lábios?”
Demetria assentiu. “Sim.”
“Moça inteligente,” disse sua mãe, acariciando seu rosto.
Seu pai também levantou e ficou a uma curta distância, os olhos assombrados. Não sendo mais capaz de suportar a tristeza no rosto, Demetria afastou-se de Joseph. Percebendo sua intenção, Joseph ajudou-a a seus pés.
Demetria caminhou para onde seu pai se levantou e colocou os braços ao redor de sua cintura, apoiou a bochecha em seu peito musculoso, e apertou com toda a força.
Seus braços imediatamente vieram ao redor dela, segurando-a tão firmemente quando ela o segurou. Seu corpo tremia contra ela e beijou o topo de sua cabeça.
Quando ele se afastou, havia faixas visíveis de lágrimas em seu rosto e dor era pesado em seu olhar.
“Sinto muito, meu bebê,” disse ele.
Ela balançou a cabeça. “Não, há nada a ser perdoado. Eu que deveria ter implorado seu perdão. Tudo está bem agora. Nada disso importa.”
Seu pai concordou. “Sim, o que é importante é que se você está feliz e bem cuidada.”
Ela sorriu e olhou de volta para onde Joseph agora estava parado ao lado da cama. Seu olhar nunca a deixando e foi atingida pela profundidade da emoção em seus olhos.
Sem olhar para trás para o pai, ela disse. “Oh sim, eu estou bem cuidada, papai.”
Brodie e Aiden chegaram para abraçá-la. Brodie era feroz em seu abraço, e ele tocou um dedo suave para a contusão tão perto de sua boca.
“Eu amo você, irmãzinha. Nunca se esqueça de sua casa aqui e as pessoas que a amam.”
Ela sorriu. “Não, eu não vou esquecer nunca.”
Ela voltou para Joseph e ele mais uma vez se sentou na cama, puxando-a em seu colo. Sentia-se segura e protegida lá, e seu calor e força a auxiliando.
“Há mais que devemos saber, Demetria,” disse Joseph. “Ian McHugh levou você, mas quando nós montamos ao castelo McHugh, Patrick McHugh alegou que não tinha conhecimento das ações de seu filho. Nós partimos após a exploração rapidamente porque temíamos que você estivesse duramente ferida. Você pode nos contar tudo o que ocorreu, se não é muito doloroso para você relacionar?”
Demetria olhou para o marido em estado de choque. “Não sabia disso? Joseph, ele estava lá, no calabouço quando Ian me atingiu. Eu o vi e ele recuou para as sombras, como se não quisesse me ver, mas ele estava lá. Ele sabia de tudo isso.”
Joseph ficou rígido e ele olhou para os outros no quarto, seus traços trancados em fúria. Ela tocou seu rosto para que ele olhasse para ela mais uma vez.
“Ele agiu com medo de seu filho. Não fazia sentido para mim. Ian era muito menor do que eu me lembrava dele de ser. Muito menor do que até mesmo seu pai. Quando eu era mais nova, ele parecia tão grande, como um monstro de mito. Quando eu o vi de novo, eu mal podia acreditar que este era um homem que tinha alimentado os meus pesadelos por tanto tempo.”
“Ele deve morrer,” disse Joseph, sua expressão gelada.
Demetria olhou preocupada para os outros que usavam expressões semelhantes de fúria. Bochechas de seu pai estavam vermelhas de raiva.
Kevin avançou. “Eu sei que você está com raiva, Joseph. Ninguém culpa você. Mas Demetria precisa de você agora. Você não deve sair do seu lado até mesmo para vingá-la. Você fez a punição para aquele que foi o maior responsável por seu tormento. Deixe-me levar nossos homens e montar ao castelo McHugh para cuidar da questão.”
Joseph começou a sacudir a cabeça, mas o pai de Demetria levantou a mão. “Seu irmão está certo, Joseph. Não é uma questão para você pegar. Seu lugar é com sua esposa. Vou emprestar tropas. É bem provável que eles vão desistir sem lutar. Eles sabem que não podem vencer.”
“Eu vou com ele,” disse Aiden, uma carranca em seu rosto.
“E eu,” disse Nicholas.
A cabeça de Demetria ficou zonza de se mover de rosto em rosto, a fim de ver tudo o que foi dito.
Eddie sorriu enquanto Brodie também assumia a causa. Então ele olhou para Joseph.
“O que você diz, Joseph? Pode dois chefes ficar de lado e permitir que os seus homens mais leais livrem as terras altas de uma víbora?”
“Eu reivindico a propriedade,” disse Joseph. “Vai ser concedida a Demetria e nossa filha, não importando quando ela nasça, seja a primeira ou a última na linha. Qualquer filho que ela carregue acabará por assumir o papel de chefe de nosso clã. Mas eu gostaria de ter a nossa filha fornecida então ela nunca se sentirá como Demetria quando tentou escapar de um casamento com um monstro brutal.”
Os olhos de Demetria se encheram de lágrimas e ela jogou os braços ao redor do pescoço do marido, segurando-o com força enquanto lágrimas quentes desceram por suas bochechas.
Quando ela finalmente se afastou, o beijou nos lábios, indiferente de quem testemunhou a intimidade. Ele a embalou mais uma vez contra ele e ela olhou para o grupo reunido dos homens que estavam constantemente fazendo planos para o Jonas e Lovato sairem em sua primeira tarefa conjunta como aliados recém-formados.
Seus irmãos e Joseph já estavam discutindo sobre a quem seria atribuída a missão de executar Patrick McHugh por suas mentiras e traições. Ela forçou seu olhar longe, não querendo insistir em morte.
Joseph caiu o queixo em sua direção e passou a mão sobre sua bochecha.
“Sua mãe quer ter algum tempo com você. Vou seguir com os outros abaixo, enquanto discutem o planejamento. Vou voltar para verificar você mais tarde.”
Ele gentilmente a colocou de lado, para que se sentasse na cama, e então se levantou, apontando para os outros para sair da câmara.
Quando eles foram embora, Demetria voltou seu olhar para a mãe dela, de repente nervosa agora que elas estavam sozinhas.
Dianna sentou-se na cama de frente para Demetria e tomou suas mãos nas dela.
“Você o ama,” disse sua mãe, sua suave expressão.
“Oh sim,” Demetria respirava. “Muito. Ele tem sido tão maravilhoso para mim.”
A mãe sorriu e apertou suas mãos. Ela se inclinou e beijou a bochecha de Demetria e depois se afastou, a alegria continuando a brilhar em seu rosto.
“É óbvio que ele te ama.”
Demetria não respondeu imediatamente, mas então ela olhou diretamente para sua mãe, seu coração batendo o tempo todo. “Sim, eu acredito que ele faz. Ele não disse isso, mas eu acredito que esteja com todo o meu coração.”
Sua mãe concordou. “Sim, eu acredito nisso também. Ele é tão protetor e carinhoso com você, Demetria. É uma visão gloriosa de se ver.”
Demetria suspirou. “É a única vez que realmente me ressenti com minha incapacidade de ouvir.”
Sua mãe franziu o cenho. “Por que isso?”
“Porque mais do que qualquer coisa, eu gostaria de poder ouvi-lo dizer as palavras. É tudo que eu jamais iria pedir de novo.”
Joseph ficou em silêncio do lado de fora, ouvindo quando o tom melancólico veio através das palavras de Demetria. Doía-lhe que ela almejava o impossível, que precisava ouvir essas palavras tão mal.
Ele considerou a situação por um momento desde que ela e sua mãe continuaram a conversar dentro da câmara. Não, ela não podia ouvi-lo por meios normais. Mas de alguma forma, ele iria encontrar uma maneira de fazê-la ouvir. Ele queria que não houvesse nenhuma dúvida em sua mente que ele a amava mais do que era possível amar qualquer outra.
Ele colocou a mão na porta do quarto fechado e murmurou baixinho: “Eu te amo, Demetria. Eu vou fazer você me ouvir, se é a última coisa que eu faça.”



Ai gente estou ficando com um aperto no coraçao, esta ja no fim dessa historia tao linda.
mas a proxima ja esta ai virando a esquina, esperando pra ser lida
bjemi

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 46 ULTIMOS CAPITULOS

Era mais do que Joseph poderia suportar. Lágrimas queimaram suas pálpebras e suas narinas com o esforço que ele exerceu para não perder completamente a compostura.
Ignorando o suspiro assustado de Dianna sobre o fato de Demetria haver falado, ele se concentrou apenas em sua bela esposa e assegurando-lhe que estava segura e com aqueles que amava.
“Não tente falar, meu amor,” disse ele ternamente. “Sua garganta deve estava doendo. Você soa como um sapo coaxando.”
Demetria fez uma careta e levantou a mão para sua garganta. “Eu gritei, pensando que alguém fosse ouvir. Estava tão escuro.” Ela parou, as lágrimas nadando em seus olhos quando ela chupou em respirações profundas através de suas narinas. “Estava com tanto medo. Ele pretendia me manter lá.”
Sua voz sumiu completamente, mesmo quando sua boca ainda se movia como se tentasse falar. Ele colocou um dedo sobre os lábios, calando-a. Em seguida, seguiu seu dedo com seus próprios lábios e beijou-a, longo e doce, absorvendo a sensação de ser capaz de tocá-la e cheirá-la e saborear dentro para saber que ela estava a salvo do perigo. Que sobreviveu e ele não a tinha perdido.
Ele encostou a testa na dela, e então simplesmente recolheu-a em seus braços e abraçou-a, balançando para frente e para trás enquanto corria a mão para cima e para baixo em suas costas.
Depois de um momento, ela ficou completamente imóvel. Ela colocou as mãos em seus braços e se afastou para que pudesse ver seu rosto. Seu olhar foi além dele e examinou o quarto, e ele sabia que ela só percebeu agora que estava na casa de seus pais.
Ele olhou para trás, esperando ver Dianna ainda ali, mas a câmara estava vazia. Dianna tinha escapado, dando privacidade ao casal depois que Demetria tinha despertado.
Demetria tocou seu rosto, a testa franzida em confusão.
Joseph suspirou. “Não fale. Apenas me escute. Seu pai chegou a Jonas com a força de todo o seu exército. Ian deve ter lhe enviado uma mensagem que ele recebeu apenas após eu ter enviado minha própria convocação. Eu não sei o que a mensagem dizia. Ainda questionarei o seu pai, mas isso deve tê-lo feito com medo por você, porque a primeira coisa que ele perguntou foi para saber o seu paradeiro.”
Demetria franziu a testa.
“Antes da chegada do seu pai, Kierstan quebrou e confessou que conspirou com Ian McHugh e que ela a levou ao redor do lado do castelo para que Ian pudesse raptar você. Ele foi auxiliado por três dos meus homens. Seu pai e seus homens montaram comigo e com os meus para o castelo de McHugh e eu virei o castelo de cabeça para baixo até que eu finalmente a descobri em um quarto escondido fora do calabouço. Depois que a levei para fora, eu deixei você com seu pai o tempo suficiente para matar Ian por seu crime. Eu só queria voltar para o nosso castelo para que eu pudesse ter certeza de que estava tudo bem com você, mas o seu pai pediu para vir aqui uma vez que era mais perto.”
Ele fez uma pausa e depois reuniu as mãos de Demetria nas suas. “Eu disse a seu pai tudo. Ele sabe que você permitiu que seu clã pensasse que era maluca pelo acidente e por quê. Ele estava profundamente perturbado. Pensei que se nós ficassemos aqui por alguns dias, enquanto você se recuperava, que lhe daria tempo com sua família para, talvez, dizer-lhes tudo o que você queria dizer a eles por tanto tempo.”
Os lábios de Demetria viraram para baixo em uma expressão de tristeza. Ela fechou os olhos brevemente, mas Joseph tocou seu rosto até que olhou para ele.
“Não se preocupe, Demetria. Estou com você. Sempre estarei com você. Estarei por você quando você falar com seus pais pela primeira vez. Eu não vou permitir a chatearem.”
Ela assentiu com a cabeça, os ombros levantando quando deixou escapar um longo suspiro. “É bom que eles saibam. Eu odiava enganá-los assim.”
“Sim, eu sei isso,” disse Joseph suavemente.
Ele a beijou novamente, valorizando ser capaz de fazê-lo quando temia nunca vê-la novamente. Nunca a segurar novamente. Nunca ter a chance de dizer a ela tudo o que estava em seu coração.
Agora não era o momento, mas em breve. Ele estava próximo a rebentar com tudo o que ele queria dizer. Mas primeiro ele iria cuidar dela. Certificar-se de que ela tinha comida e descanso.
“Você gostaria de ver sua mãe e seu pai agora? Eu vou descer por alimento e água quente para um bom banho. Você pode vê-los agora ou depois que você comer e se limpar.”
“Depois,” ela resmungou num murmúrio tenso.
Ele acenou com a cabeça e depois se levantou para ir contar à mãe tudo o que Demetria necessitava.
Demetria submergiu na banheira de madeira até que a água fumegante lambeu-lhe o queixo. Ela fechou os olhos e permitiu que o calor se infiltrasse em seus ossos, substituindo o frio dolorido e levando longe a dor de seus músculos.
Joseph reuniu seu cabelo quando caiu sobre as costas e começou a escovar os emaranhados dos fios. Saboreou seu toque, o conforto de ter-lhe tão perto. Ela não temia nada, quando ele estava com ela.
Quando ele terminou de escovar os cabelos, puxou-a em torno de um ombro e deixou cair na água. Então ele pegou uma jarra de barro e ajoelhou-se para que pudesse mergulhá-lo na água.
Ele virou o rosto para que ela pudesse ver a sua boca e em seguida, instruiu-a a sentar-se para frente para que ele pudesse lavar os cabelos.
Foi uma experiência emocionante ter este guerreiro duro tão ternamente lavando e livrando suas dores e sujeira. Ela nunca se sentiu tão valorizada. Tão... amada.
O pensamento enviou uma dor feroz em sua própria alma. O que ela não daria para ser capaz de ouvir essas palavras de seus lábios. Ela daria qualquer coisa para ter um dia, quando pudesse ouvir. Só para se alegrar com o som de algo tão simples como algumas palavras faladas do coração de seu marido.
Ela fechou os olhos e sentou-se inerte enquanto ele terminava de ensaboar e enxaguar os cabelos e depois, quando ele lavou o resto do seu corpo, até mesmo os dedos dos pés.
Quando seu pé escorregou de volta para dentro da água, ele se inclinou sobre a banheira e capturou sua boca em um beijo profundo e explorando. Foi um pouco menos suave do que seus beijos tinha sido quando ela ainda estava na cama.
Havia um desespero sobre ele, quase como se estivesse ainda convencendo-se de que ela estava aqui e estava segura. Sua palma embalou o queixo e segurou-a como seu beijo se aprofundou e sua língua deslizou sensualmente sobre a dela.
Eu te amo.
As palavras que ela tentou dizer simplesmente não saíram. Elas morreram dolorosamente em sua garganta, a força para vocalizar isso.
Joseph se afastou, seu olhar nunca a deixando quando chegou para uma das roupas de secagem. Ele tomou sua mão, ajudou-a a seus pés, e ajudou-a passar por cima da borda e no chão da câmara. Imediatamente ele envolveu-a dos pés à cabeça no linho e conduziu-a para a fogueira, onde um prato de pão e queijo, juntamente com um prato de guisado de coelho, a aguardava.
“Eu quero que você coma devagar,” instruiu.
Ela assentiu, muito feliz em cumprir o seu ditame.
O fogo aqueceu a pele, ela chupou o caldo de sua colher e saboreou o rastro de calor em sua garganta. Isso acalmou a crueza e umedeceu a carne devastada.
Ela comeu até a exaustão e ela mal conseguia segurar a cabeça por mais tempo. Reação em conjunto e para seu desgosto ela começou a tremer violentamente.
Foi uma estupidez. Ela estava segura. Estava a quilômetros de distância de Ian McHugh, e ele estava morto de qualquer maneira. E ainda assim ela não conseguia parar de tremer. Ela não conseguia parar de penar que ela ainda poderia estar naquele calabouço escuro algemada à parede.
Joseph varreu-a em seus braços e a levou de volta para a cama. Ele deixou de lado a roupa que a envolvia e puxou o vestido de lã por cima de sua cabeça. Tendo tempo apenas o suficiente para tirar as botas, ele colocou-a sob as peles e arrastou a seu lado, puxando-a para o seu corpo de modo que seu calor infiltrou nela.
Ele esfregou as mãos para cima e para baixo em sua volta, até que finalmente um pouco de seu pânico desapareceu e ela ficou mole contra ele. Beijou sua testa, o cabelo ainda úmido, na concha de sua orelha. Sua respiração soprou quente sobre seu rosto e ela se aconchegou mais em seu abraço, ela fechou os olhos.
Ela teria de enfrentar sua família quando despertasse. Talvez até lá, sua voz teria retornado e ela seria capaz de dar-lhes as palavras para explicar o que tinha feito.


e entao o que acharam do video de ontem? é pra ja se preparem pro que virá, aginal como puderam ver, ja estamos acabando com essa fic
detalhe, a proxima é de autoria de alguem que nao sabe escrever nada, embora as ideias sao boas, entao se nao gostarem, ja estao avisados


sim eu que escrevi.


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

NOVIDADE EM BREVE!

Entao pessoal, eu sei que ainda tem uns capitulos ate terminar NSUE, mas pra ja se prepararem....incluindo uma passadinha no cardiologista, pois nao pago tratamento de ninguem kkkkkkk
video

é isso entao gente
bjemi

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 45

Ian caiu, dobrando como uma fita ao vento. Joseph nem esperou para ver se ele tinha tomado seu último suspiro antes que começasse a procurar no corpo para as chaves das algemas. Ele era do tipo que os levava consigo, e Joseph estava certo. A chave estava no bolso da túnica de Ian.
Ele embainhou sua espada, sem se preocupar em limpar o sangue de Ian da lâmina. Em seguida, voltou correndo para onde Demetria estava e cuidadosamente abriu as algemas, retirando-as de seus pulsos e tornozelos.
Quando ele se afastou para deixar de lado as algemas, ele olhou para o pai de Demetria no olho.
“Eu não tenho nenhuma intenção de quebrar nosso tratado. Quero apenas voltar ao meu castelo com Demetria.”
Ele estendeu os braços para Demetria, mas Eddie hesitou. Seu domínio apertou o pacote precioso em seus braços, e ele olhou para Joseph, sua expressão suplicante.
“Nosso castelo está mais perto. Vamos lá, para que possamos ter certeza de que tudo está bem com Demetria. Não me negue isso, eu imploro. Sua mãe vai querer saber tudo o que você me disse. Ela vai querer manter sua filha em seus braços e saber que ela está segura e feliz.”
Joseph olhou para seus irmãos e depois voltou para o chefe Lovato. Não era coisa fácil, o que ele pediu. Ele estava pedindo para Joseph deixar de lado o passado, para andar na terra Lovato como um convidado... E permanecer lá como... família.
Ele olhou novamente para seus irmãos e deixou seu olhar demorar, querendo os seus pensamentos. Kevin e Nicholas trocaram olhares e viraram as cabeças ligeiramente, vendo nas expressões dos rostos dos irmãos de Demetria e do pai, que ainda segurava firmemente Demetria contra seu peito.
“Não é uma coisa grande que eles pedem,” disse Kevin, em voz baixa. “Uma mãe gostaria de cuidar de sua única filha, após tal provação.”
O coração de Joseph aliviou e alívio esmagou em seu peito. Por Demetria ele poderia pôr de lado anos de ódio e o desejo ardente de vingança, mas não podia esperar que sua família sentisse o mesmo.
“Devemos apressar, Joseph,” disse Nicholas. “A moça deve despertar entre aqueles que a amam e não aqui, onde ela sofreu abuso.”
Joseph voltou seu olhar para Eddie. “Se você nos terá, então nós vamos ser gratos por sua hospitalidade e para os cuidados que você pode prestar a minha esposa.”
Eddie tomou os três passos que o separava de Joseph e gentilmente colocou Demetria nos braços de Joseph.
“Vamos montar e permitir que Patrick enterre seus mortos. Podemos ainda resolver a questão com os McHughs e conduzir uma investigação completa, uma vez que temos certeza de que Demetria vai se recuperar de sua provação.”
Joseph baixou o rosto para a cabeça de sua esposa e rapidamente fechou os olhos na maravilha doce de tê-la de volta, viva. Então, ele acenou com acordo para Eddie e voltou a caminhar de volta para onde seu cavalo estava sendo mantido por seus homens.
Assim que eles se aproximaram do castelo Lovato, Dianna Lovato correu para cumprimentar seu marido, sua expressão era frenética.
Ela parou quando pegou a presença dos soldados de Jonas. Seus olhos se arregalaram quando olhou em confusão na impressionante exibição de poder. E então seu olhar caiu em Joseph, e sua mão foi para sua boca quando viu que era Demetria que ocupava diante dele.
Ela correu, saias voando, tão rápido quanto seus pés a deixavam levar até que estava diretamente abaixo de Joseph. Ele teve que segurar seu cavalo no lugar de modo que ela não fosse pisoteada.
“Droga, Dianna!” Eddie rugiu. “Eu lhe disse para permanecer dentro da fortaleza, não importasse o que acontecesse!”
“O que aconteceu com Demetria?” Dianna perguntou, sua angústia era evidente em suas palavras sufocadas. Ela ignorou completamente a ira de seu marido quando olhou implorando em Joseph.
“Eu não sei tudo,” disse Joseph em tons suaves. “Permita-me passar para que Demetria possa ser cuidada.”
Dianna saiu às pressas para o lado. “É claro.”
Então ela se virou e correu o mais rápido que pode de volta para a torre do castelo, deixando-os seguir a cavalo.
No momento em que montaram para o pátio, Dianna estava esperando ansiosamente, os dedos atados juntos em uma bola na frente dela. Lágrimas brilhavam em seu rosto enquanto ela esperava os guerreiros para desmontar.
Kevin contornou os irmãos de Demetria quando eles chegaram para levantar Demetria do cavalo de Joseph. Em uma mensagem clara disse que considerava Demetria um dos seus, Kevin chegou para ela, levando-a dos braços de Joseph e cuidadosamente baixando-a.
Ele esperou por Joseph deslizar para baixo e, em seguida, entregou-lhe de volta para Joseph cuidar dela. Atento para não empurrar, Joseph caminhou para Dianna, exibindo nenhum desconforto com o fato de que ele e seus homens estavam totalmente abrigados nas terras de Lovato e que eles estavam, de fato, à mercê do Senhor Lovato.
Dianna pediu-lhe para entrar e, em seguida, correu na frente dele, orientando-o a segui-la até as escadas. Quando ela teria empurrado para a câmara que Demetria ocupava antes, Joseph interrompeu.
“Será que esta câmara me acomoda também?” Ele exigiu. “Eu não vou deixá-la.”
Os olhos de Dianna arregalaram, e então, ela limpou sua garganta. “Talvez fosse melhor, então colocá-la na câmara que você descansou quando estava aqui como convidado.”
Joseph assentiu e seguiu adiante no corredor até que chegaram ao quarto onde ele e Demetria tiveram a primeira conversa verdadeira, apesar de Demetria não ter falado uma palavra o tempo todo. Como as coisas mudaram desde então.
Ele baixou-a para a cama e então se sentou na beirada e passou a mão sobre a contusão escura em sua mandíbula. Outro dano em toda a sua face. Havia impressões digitais em seu rosto, como se tivesse Ian a agarrado duramente.
Seus dedos tremiam e suas narinas dilataram. Suas emoções ameaçavam desmoronar quando ele olhou para sua mulher, frágil machucada. Oh Deus, ele pensou que nunca mais a veria. Ele nunca tinha tido tanto medo em sua vida. Nunca tinha se importado tanto por uma mulher que a simples ideia de estar sem ela ameaçou esmagar todo o seu mundo.
“Você se importa com ela,” Dianna Lovato, disse em um tom chocado.
Joseph virou a cabeça para furar a outra mulher com seu olhar. Os outros se reuniram na porta. Alguns já haviam entrado no quarto, suas expressões eram de preocupação. Ele não se importava que ouvissem as palavras seguintes.
“Minha senhora, eu não simplesmente me importo com ela. Eu a amo. Ela é a minha vida inteira. Sem ela, eu não sou nada. Eu não tenho nada.”
Seus olhos arregalaram até que eles eram enormes contra seu rosto pálido. Eddie entrou em cena para levar as peles nos ombros, puxando-a contra seu peito.
“Deixe-o, amor. Sua preocupação é principalmente por Demetria. Há muito que não sabiamos dela.” Ele parou de falar, sua voz cheia de tristeza. “Eu cometi tantos erros. Isso quase nos custou nossa filha. Isso poderia ter nos custado a nossa filha.”
“O que você está falando?” Dianna exigiu.
Eddie balançou a cabeça. “Não é o momento. Você vai ouvir tudo quando estivermos certos de que Demetria está bem e se recuperou de sua provação. Por agora, vamos fazer tudo que pudermos para tornar Joseph e sua família bem-vinda em nossa casa. Ele se importa muito com Demetria e deixou de lado a sua sede de vingança, porque ele a ama mais do que ele me odeia.”
Dianna encarou Joseph em total perplexidade. “É verdade?”
Joseph emitiu um aceno curto e então voltou sua atenção para Demetria. Mesmo que ele sabia que não podia ouvi-lo, ele quase foi obrigado a falar com ela. Em vez disso, ele se contentou em tocá-la, acariciando os dedos sobre seu rosto enquanto rezava para ela acordar.
Virando-se para os outros, ele emitiu um comando curto para que saissem do quarto para que ele pudesse retirar sua roupa úmida. Então ele olhou para seu pai. “Será que você tem uma mulher que serve para construir o fogo? Eu não quero Demetria passando frio.”
“Eu vou buscar um vestido de dormir quente para ela vestir,” Dianna disse, já correndo para a porta.
Eddie colocou lenha na lareira e atiçou fogo para as toras. Quando Dianna empurrou de volta para a câmara, ela enxotou os outros embora, e então ela veio para ficar ao lado de Joseph.
“Eu vou cuidar da minha filha, se você quiser sair com os outros.”
“Eu não vou deixá-la,” Joseph disse sem rodeios. “Você pode ficar ou ir como quiser, mas eu vou examiná-la por mim mesmo para que eu possa ver quais lesões que ela sofreu. Tem um curandeiro que você possa chamar se for mais grave do que eu temo?”
Dianna assentiu sem palavras, sua expressão ainda era mais de perplexidade do que ferocidade quando Joseph veio para Demetria. Ela aprendeu logo que ele não tinha intenção de sair do lado de Demetria.
Satisfeito que ela não o questionou mais, ele voltou sua atenção para a remoção do vestido, esfarrapado sujo que se agarrava na sua pele.
Sua mãe ofegou quando as contusões de desvanecimento que já tinha estado presente em Demetria surgiram.
“Oh céus misericordioso,” Dianna sussurrou.
“Não é o que você pensa,” Joseph disse severamente. “Ela sustentou essas contusões não nas mãos de Ian McHugh, mas a partir de uma queda de um cavalo, enquanto ela ainda estava nas terras Jonas.”
“Um cavalo?” Dianna exclamou. “Por que diabos ela estava em um cavalo? Será que você a forçou a montar?”
Joseph sacudiu a cabeça. “É claro que eu não fiz. Ela montou de volta para o castelo para pedir ajuda para mim quando eu fui abatido por uma flecha.”
Os olhos de Dianna arredondaram, mais uma vez com espanto. Era uma expressão que parecia permanentemente gravada em seu rosto desde a chegada de Joseph. Ele supôs que entendia a confusão. Parece que sabia muito pouco de sua filha, o que foi uma pena, porque Demetria era extremamente especial.
Joseph terminou de remover o vestido, aliviado quando não viu nenhum sinal de prejuízo para o seu corpo. Ele só podia rezar para que Ian não a tivesse violado. O pensamento fez seu estômago apertar e seu coração doer.
Com a ajuda de Dianna, ele delicadamente banhou a pele, removendo a sujeira do calabouço, bem como o cheiro. Ele não queria que ela sentisse qualquer desconforto. Depois que estava limpa, ele a vestiu com um vestido de lã fresca, forrada de pele que a mantinha quente e também impediu que a lã coçasse a pele.
Ele gentilmente puxou o cabelo longe de sua cabeça e, em seguida, meticulosamente correu o dedo sobre seu couro cabeludo para verificar todas as contusões e cortes na pele.
“Parece que tudo o que ele fez foi machucar seu rosto,” disse Joseph em alívio. Ele esperava com toda sua força de que era tudo. Mas o que mais temia era o que a provação tinha feito ao seu espírito.
“Eddie disse que você o matou.”
Joseph assentiu, não se afastando de Demetria.
“Bom,” Dianna disse ferozmente.
Joseph inclinou-se e apertou os lábios na testa fria de Demetria. “Volte para mim,” ele sussurrou. “Eu estou esperando, Demetria.”
Ela se moveu sob seu toque e seu pulso disparou até que estava martelando nas têmporas. Ele se afastou, emoldurando seu rosto com as mãos, colocando seu rosto, enchendo-a com o máximo de seu calor como podia. Ele queria que ela acordasse sabendo que estava segura.
Quando as pálpebras se agitaram e se abriram, ele se inclinou ainda mais perto para o seu rosto ser o primeiro que viu. Ela piscou várias vezes, como se estivesse tentando se livrar de sua confusão, e então seus olhos inundaram com alívio.
Ela sorriu, a coisa mais bonita que Joseph já tinha visto em sua vida.
“Eu sabia que você viria,” ela sussurrou com voz rouca.


e finalmente Joe tem em seus braços, sua esposa amada.
bjemi...




ah ps: logo mais, voces irão morrer do coraçao....maiores informaçoes
#SOO

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 44 parte II

Ele deu o tempo de uma tocha passar e se preparou para voltar com os outros, que já estavam subindo de volta a corda, quando seu olhar caiu sobre uma perturbação na terra contra a parede oposta.
Ele andou para frente, segurando a tocha em frente a ele, aproximando-se para a parede. Havia uma pegada, uma que ele e os seus homens não tinham feito, por isso não era possível.
Metade da impressão era visível. A outra metade parecia desaparecer na parede.
“Kevin! Nicholas!” ele latiu. “Aqui!”
Um momento depois, os outros o cercaram e ele apontou para baixo.
“Onde ela está?” Brodie rosnou, pela primeira vez, dando voz ao fato de que ele acreditou em tudo que Joseph tinha dito.
“O que está para além desta parede?” Joseph exigiu.
Patrick balançou a cabeça, o pânico evidente em sua voz. “Eu não tenho ideia. Eu juro. Eu não sei de nada além dessa parede.”
Joseph caiu de joelhos e começou a correr os dedos ao longo das costuras das pedras. Ele empurrou para dentro com o ombro ileso, mas a parede não se mexia.
Kevin caiu de joelhos um pouco mais para baixo na parede e começou a empurrar as várias pedras. Quando ele estava no comprimento de seis pedras de Joseph, a parede de repente empurrou para dentro, enviando Joseph para frente, caindo.
Joseph ficou de pé, balançando a tocha em todas as direções. Era uma pequena sala. Ele girou em um círculo completo e quase dançou a luz da tocha passando direto por ela.
Um suspiro subiu. Ele não foi o único a ter visto o corpo ainda deitado no chão. Ele arrancou a tocha de volta e apressou adiante, seu coração gritando em negação o caminho todo.
Atrás dele, havia uma corrida louca e depois mais luz. A câmara toda iluminou e Joseph podia ver as correntes e algemas que circulavam os pulsos e tornozelos de Demetria.
Ele soltou um uivo furioso que ecoou e ricocheteou nas paredes de pedra. Ele jogou a tocha de volta a um de seus irmãos e, em seguida, caiu de joelhos, reunindo Demetria em seus braços. Ele balançou para trás e para frente, beijando seu cabelo, seu rosto, suas bochechas. Sua pele estava muito fria e ela estava muito quieta.
Seu pai ajoelhou ao lado de Joseph, olhando com horror para sua filha, tão sem vida nos braços de Joseph.
“Eu não sabia!” Patrick balbuciou. “Juro pela minha própria vida, eu não sabia!”
Enfurecido, Kevin bateu o homem mais velho contra a parede. “Onde estão as chaves das algemas?”
Mas Joseph ignorou todos eles. Empurrou o cabelo para trás de Demetria e com os dedos trêmulos, sentiu o pulso contra o lado de seu pescoço.
“Ela está...” Eddie interrompeu, incapaz de completar a frase.
“Ela está viva!” Joseph disse em uma onda de alívio. Mas mesmo quando ele exclamou, viu os hematomas no rosto, e raiva explodiu por ele como o fogo do inferno.
As correntes estavam fixadas à parede da câmara com dobradiças antigas que ele duvidava que fosse forte demais. Teria sido suficiente para conter uma moça, mas não um guerreiro que estava tão cheio de raiva que poderia ter lançado num cavalo para libertar sua esposa.
Ele entregou Demetria para o pai. “Segure-a e a proteja.”
Então ele se levantou, pegou as correntes, e com um berro de raiva, arrancou a dobradiça superior, que prendia as duas correntes às algemas em seus pulsos, livre da parede. Antes que ele pudesse passar para a de seus pés, Aiden agarrou a cadeia e rasgou a dobradiça da parede, liberando-a para que eles pudessem pelo menos levá-la do calabouço para remover as algemas.
Eddie estava segurando sua filha com força no peito e chorando baixinho em seu cabelo.
Joseph estendeu a mão para ela, recusando-se a permitir que outro a levasse da prisão. Nenhum outro poderia tocá-la.
Patrick estava completamente branco com medo. Ele balbuciou um fluxo de absurdo e mendicância. Seu filho era o culpado. Ele não tinha conhecimento da trama.
Joseph empurrou por ele em desgosto.
Quando Joseph chegou a corda que conduzia à câmara superior, ele parou. Ele não podia subir, mantendo Demetria e nem podia fazer a subida com ela sobre seu ombro.
Brodie empurrou para frente, Aiden em seus calcanhares.
“Dê ela ao Pai e você sobe,” disse Brodie para Joseph. “Aiden e eu vamos formar uma escada humana e entregá-la até você. É algo que temos feito desde que éramos rapazes. Nós não vamos deixá-la cair, eu juro.”
Joseph assentiu, entregando Demetria rapidamente nos cuidados de seu pai. Ele atirou-se a corda, medo e raiva emprestando-lhe a força de dez homens. Quando chegou ao topo, ele chamou para baixo, e viu Aiden subir sobre os ombros de Brodie, equilibrando-se. Joseph enfiou a cabeça pela abertura, estendendo-se tão longe quanto podia sem despencar para baixo, mas não havia nenhuma maneira que ele seria capaz de atingir Demetria mesmo que Aiden pudesse suportar sobre sua cabeça.
“Kevin, suba,” Joseph ordenou.
Um momento depois, seu irmão subiu na corda e Nicholas rapidamente subiu após ele. Joseph deitou em seu estômago e avançou o seu caminho ao longo da borda.
“Segure-me em minhas pernas,” ele ordenou. “Você vai ter que me puxar e Demetria de volta quando eu alcançar ela.”
Cuidadosamente, seus irmãos seguraram os tornozelos, Joseph baixou, e quando ele estava quase capaz de tocar as mãos estendidas de Aiden, Aiden chamou por seu pai para levantar Demetria.
Ajudado por outros homens, Eddie colocou Demetria para os braços de Aiden, e então ele levantou tão alto quanto poderia quando empoleirou nos ombros de Brodie. Por duas vezes ele quase caiu, mas foi capaz de ganhar o seu equilíbrio, sem deixar ela cair.
Finalmente, Joseph deslizou as mãos por baixo dos braços de Demetria e depois gritou de volta para seus irmãos para puxá-lo para cima.
Ele raspou dolorosamente sobre o chão áspero e seu ombro ferido protestou contra o tratamento áspero, mas ignorou toda a dor e desconforto. Ele tinha Demetria de volta em seus braços. Ela estava viva, apesar de ele não saber a extensão de seus ferimentos ou o que tinha sido feito para ela enquanto estava em cativeiro.
Ele esperou que os outros fizessem a subida só porque ele não podia fazer o que deveria ser feito enquanto ainda segurava Demetria.
Subiram as escadas para o primeiro nível do castelo em silêncio, Joseph segurou Demetria firmemente ao peito o caminho inteiro. Quando chegou ao topo, ele se virou, e quando seu pai e seus irmãos chegaram ao degrau mais alto, Joseph levou Demetria para Eddie.
“Guarde-a bem,” disse ele em voz baixa. “E espere aqui até que eu faça o que preciso. Eu não vou tê-la exposta a ele um momento mais. Eu não quero que ela desperte e o veja em sua vida ou morte.”
Eddie acenou com compreensão e levou Demetria em seus braços. Brodie e Aiden pairaram perto de seu pai, seus olhos escuros e preocupados.
Joseph virou-se para caminhar, deixando os outros para trás. Ele atravessou o castelo e de volta para o pátio, o seu único objetivo era ir de volta para onde Silas estava segurando Ian.
O pequeno bastardo fraco realmente olhou para Joseph em triunfo quando Joseph apareceu no pátio sem Demetria.
“Vê? Eu disse que não tive nenhum uso para uma louca.”
Joseph desembainhou a espada em um movimento suave e antes que Ian pudesse até processar o que estava para acontecer, Joseph enfiou a espada na barriga de Ian até que a lâmina se projetou a sua volta.
Ian olhou em choque, seus olhos vidraram sobre a morte. Sangue borbulhava de sua boca e deslizou para baixo de seu queixo pingando no chão.
“Isso foi para minha esposa,” Joseph rosnou. “Eu espero que você apodreça no inferno.”


e entao o que acharam desse final do capitulo?
bjemi

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCES Capitulo 44 parte I

Joseph deslizou para baixo, querendo estar cara-a-cara com Ian para que ele não tivesse uma falsa sensação de segurança. Ele queria o homem mais jovem para saber exatamente o que o destino o aguardava.
Atrás dele, seus irmãos também desmontaram e Eddie e seus filhos vieram logo atrás de Joseph.
O queixo de Ian levantou. A única evidência de seu desafio foi vacilante quando engoliu em seco.
“Diga a eles,” disse Patrick. “Diga-lhes que não tem nada a ver com o desaparecimento de Demetria para que eles possam estar no seu caminho.”
“E você,” Joseph disse em uma voz calma mortal. “Eu quase não acho que seu filho agiu sozinho, McHugh.”
Patrick abertamente estava suando e suas mãos tremiam. “Isso é tudo ridículo. Eu nunca teria feito algo tão imprudente, e nem faria Ian.”
“É claro que eu não tenho nada a ver com o seu desaparecimento,” Ian respondeu. “O que eu quero com a moça louca?”
Joseph deu um passo ameaçador para frente, e sua mão alcançando agarrando a túnica de Ian. Ele arrancou o homem muito menor até os dedos dos pés estarem quase arrastando no chão.
“Se você machucou um fio de cabelo de sua cabeça, esquartejarei você e alimentarei você para os urubus,” ele assobiou.
“Coloque-o para baixo, Jonas,” Patrick disse com raiva. “Ele disse que não tem nada a ver com o desaparecimento da moça.”
Ainda segurando Ian pela túnica, Joseph virou seu olhar frio no velho McHugh.
“Então você não vai opor-se a nós procurar no castelo agora, você vai?”
As sobrancelhas de Patrick subiram. “Claro que não. Ela não está aqui. Você não acha que eu gostaria de saber se ela estivesse?”
A convicção no rosto de McHugh e em seu discurso incomodou Joseph. Isso o incomodava muito. Ele sabia que Ian estava mentindo, mas Patrick parecia estar dizendo a verdade. Ou isso, ou ele era um enganador melhor do que seu filho.
Joseph jogou Ian na direção de Silas. “Não deixe que ele se mova.” Ele fez um gesto para seus irmãos e depois caminhou para a entrada do castelo. Ele vasculharia o local todo de cabeça para baixo, se isso era o que precisava.
Eddie e seus filhos seguiram rapidamente atrás. Uma dúzia de homens de Jonas e Lovato entrou com Joseph e os outros.
Joseph não se incomodou em emitir ordens porque ele planejava cobrir cada centímetro do castelo. Ele não confiaria o bem-estar de sua esposa a ninguém, além de si mesmo.
Ele começou no primeiro quarto, que veio. Cada canto, cada espaço foi invadido. Ele jogou móveis, rasgou peles, derrubou camas, sua fúria crescendo a cada quarto, que encontrou vazio.
Quando saiu da última câmara do nível superior, uma figura encapuzada estava no corredor, um capuz cobrindo sobre a cabeça para que seu rosto não fosse visível.
Ao tomar um olhar mais atento, Joseph podia ver que a figura era leve e pequena, obviamente uma moça ou um rapaz muito pequeno. Mas quando a pessoa se virou, um bloqueio longo de cabelo preto caiu solto do capuz. A pequena mão surgiu para segurar o capuz assim permaneceu cobrindo o rosto e era óbvio que era a mão de uma mulher.
“Olhe abaixo, Senhor,” ela sussurrou. “No calabouço.”
Antes que Joseph pudesse responder, a moça se virou e fugiu pelo corredor, desaparecendo em uma das câmaras ao longe.
Joseph latiu uma ordem para seus irmãos e depois caminhou pelas escadas onde encontrou Patrick McHugh na parte inferior.
“Mostre-me a sua masmorra, McHugh. Por tudo que é mais sagrado, se você tiver feito a minha mulher sofrer a prisão em uma masmorra, eu vou te matar.”
Se possível, Patrick empalideceu ainda mais. “É claro, mas não tem sido usada em mais de duas décadas. Não há nem mesmo uma escada mais. Apenas um buraco com uma corda levando para baixo.”
“Mostre-me,” Joseph mordeu fora.
Sua fúria foi crescendo a cada minuto que passava, sem nenhum sinal de Demetria. A ideia de ela estar presa na masmorra o tinha balançando enquanto desciam as escadas na escuridão.
Patrick parou para entregar uma tocha para Joseph. Então, ele iluminou outras duas e passou-a a Eddie e Kevin e assim estariam suficientemente iluminado.
Na parte inferior da escada, Patrick pegou uma chave da parede e a inseriu num cadeado, velho enferrujado. O fecho veio com facilidade, apesar da quantidade de ferrugem e a deterioração.
Joseph trocou olhares com Eddie para ver se o homem mais velho tinha pego o cadeado. Ele deveria ter rangido e gemido, se não tivesse sido usado por duas décadas. Ele nunca deveria ter desbloqueado tão facilmente.
Eddie percebeu isso também, porque sua expressão passou de chocado ao estado de alerta instantânea. Sua postura enrijeceu e seu rosto apertou de raiva. Ele levantou a mão para deixar Joseph saber que entendeu e depois colocou um dedo sobre os lábios para sinalizar para o silêncio completo.
Quando todos estavam através da porta de ferro, Patrick levou-os para o meio da sala, em decomposição e levantou a tocha para mostrar-lhes a corda que levava para dentro do poço.
“Doce Jesus,” Kevin murmurou. “Certamente ninguém iria colocar uma moça pequenina dentro deste buraco. Isso cheira a morte.”
Joseph entregou a tocha a um dos seus homens e, então, ordenou a Nicholas para segurar a tocha para que ele pudesse ver a sua maneira para baixo. Em seguida, agarrou a corda e desceu rapidamente de mão em mão para a escuridão abaixo.
Quando bateu no chão, gritou para Kevin deixar cair a tocha. Sem aguardar os outros a descer, Joseph imediatamente procurou a área circundante, indo de uma parede à outra e todos os pontos entre eles.
Quando os outros desceram, mais luz explodiu na câmara, o suficiente para ver que ele estava completamente vazio.
“Vê?” Patrick estalou. “É loucura você vindo com todo o seu exército e acusando meu filho de tal traição.”
“Vem, Joseph, temos ainda que procurar nas casas ao redor,” disse Eddie.
Joseph olhou em torno do quarto, condenando o fato de que Demetria não podia ouvir. Ele não poderia nem mesmo chamá-la e deixá-la saber que ele estava aqui, que estava segura e que tudo o que tinha a fazer era chamá-lo.

pois é...nao acharam ela, e agora o que sera que ele fará?
bjemi