sábado, 20 de janeiro de 2018

Capitulo V parte 1

— Peço desculpas por sua noite acabar mais cedo por causa do meu cabelo — disse Demetria quando a carruagem começou a se movimentar.
Uma risadinha espocou dos lábios de Joseph.
— Você não tem de pedir desculpa alguma, afinal fui eu o principal responsável pelo estrago.
— Isso é verdade! — disse Demetria, concordando com a cabeça, mas não parecendo nada aborrecida com isso. Dando um sorriso tímido, ela perguntou então: — Foi sincero o que você disse?
— Quando?
— Que não é para evitar o escândalo que você quer se casar comigo?
Joseph sorriu. Demetria tinha o semblante carregado e apertava muito os olhos na tentativa de vê-lo melhor. Era evidente que se sentia insegura e que sua resposta era muito importante para ela.
— Estar casado com você é o que eu mais quero, querida.
Ela abriu um largo sorriso que iluminou o seu rosto tal qual o sol que brilha após uma tempestade. Joseph sentiu um nó na garganta.
— Então por que não me beija para selarmos nosso compromisso?
Ele se derreteu diante de pergunta tão direta, mal acreditando no que ouvira:
— O quê?
— Adoro quando você me beija — Demetria explicou — e não me importaria nem um pouco se você quisesse me beijar agora.
— Melhor não.
— Por quê? Você não gosta de...
— Claro que gosto!
— Então por que não me beija?
Joseph franziu a testa.
— Essa é uma pergunta que a maioria das mulheres não faria.
— Eu não faço parte dessa maioria. Além disso, meu pai sempre diz que quem não pergunta nunca fica sabendo. E eu quero saber. Por que você não me beija se é o que nós dois desejamos?
— Porque, se eu a beijar, vou querer tocar em você.
— Eu gosto quando você me toca — Demetria não hesitou em dizer.
— Só que se eu tocar em você — Joseph completou —, vou querer fazer amor com você.
— Acho que também vou gostar.
Joseph levantou uma sobrancelha.
— Você acha que vai?
— Bem... — Demetria hesitou por um momento, mas resolveu perguntar: — Não foi amor o que você fez comigo na noite do incêndio?
— Não — respondeu Joseph, em um tom hostil ao se lembrar daquela noite. Por um lado, parecia ter acontecido há muito tempo; por outro, era como se tivesse sido um minuto atrás. Ainda tinha na boca o gosto dos beijos dela e quase podia sentir o clamor do corpo se mexendo ao toque de suas mãos. Céus, estava tendo uma nova ereção só de lembrar. Estava claro que ele não tinha autocontrole algum quando Demetria estava por perto.
— Não foi? — Demetria estranhou. — Então o que foi o que fizemos?
— Foi... foi... — Joseph não sabia por onde começar. — Sim, foi mais ou menos. Mas não foi... — Ele fez uma pausa e dirigiu um olhar terno para ela. — Será que ninguém explicou essas coisas para você?
— Não. — Demetria balançou a cabeça e encolheu os ombros. — Não se preocupe, milorde. Não precisa falar sobre isso se não se sente à vontade. Tenho certeza de que Taylor vai me explicar tudo no dia do casamento.
Josep sentiu-se horrorizado ante essa possibilidade. Aquela mulher faria terrorismo com Demetria, contando-lhe histórias que a encheriam de medo e ansiedade. A noite de núpcias acabaria sendo um pesadelo se ele tivesse de passar acalmando-a e confortando-a. Não poderia permitir que coubesse a Taylor explicar a Demetria os detalhes do que se passava entre um homem e uma mulher. Outra pessoa teria de fazê-lo.
— Vou pedir a minha mãe que converse com você — Joseph decidiu. — Se Taylor tomar a iniciativa, diga a ela que não há necessidade e não ouça nada do que ela tenha a dizer.
— Ah, não — disse Demetria, balançando a cabeça resoluta. — Ficaria muito sem-graça de conversar com sua mãe sobre essas coisas. Além disso, seria um insulto para Taylor se eu não a deixasse falar. Sabe, começo a pensar que há mais motivos para se ter pena de Taylor do que para não se gostar dela.
— Não vou deixar que ela a assuste com histórias de sangue e dor e...
— Fazer amor causa sangue e dor? — Demetria perguntou assustada.
— Não, claro que não — disse prontamente Joseph, com raiva de si mesmo por falar demais.
— Por que disse isso então? Há ou não há sangue e dor? Você não quer é que eu saiba!
— Droga! — Joseph resmungou.
Demetria estava visivelmente ansiosa, e ele não sabia como consertar a situação.
— Demetria ... — Joseph começou a falar, mas foi interrompido por ela.
— Não, milorde, você não pode me enganar. Preciso saber a verdade, mas não quero lhe causar qualquer desconforto. Perguntarei a Taylor quando ela e meu pai voltarem para casa. Talvez isso até nos aproxime e possamos nos tornar amigas.
Por Deus! Joseph endireitou o corpo e disse com firmeza:
— Não permito que você fale com Taylor.
— Ainda não somos casados, milorde. Não preciso que me permita o que quer que seja.
Joseph arregalou os olhos diante do pouco caso dela a uma ordem sua.
— Você pretende me desobedecer e me desafiar dessa maneira quando estivermos casados?
— Receio que sim — Demetria admitiu, quase que se desculpando, e então acrescentou: — Mas não é para desafiá-lo, é só quando não concordar com o que você me pede.
Joseph soltou urna gargalhada, e Demetria o encarou, curiosa.
— Você não está zangado comigo?
— Não — disse Joseph, rindo. — Na verdade, desconfio que muito poucas mulheres tenham a intenção de obedecer ao se casarem. Só achei graça de você admitir com tanta franqueza.
— Ora, tento sempre ser honesta, milorde.
— Certo. — Joseph suspirou e endireitou os ombros. — Se eu mesmo lhe contar, você me promete que não vai permitir que Taylor a assuste?
— Prometo.
— Muito bem, então vou pensar na melhor maneira de explicar tudo para você. — Ele recostou-se e refletiu por onde deveria começar. Pensou... e pensou... e pensou.
— Milorde, não vai me dizer nada?
Joseph suspirou constrangido e balbuciou:
— Estou pensando.
E estava mesmo quebrando a cabeça. Não cabia ao homem explicar sexo a uma donzela. Mas se não o fizesse, tinha certeza de que Taylor transformaria sua noite de núpcias em um tormento.
— Talvez eu possa ajudar, milorde.
Joseph piscou os olhos diante da sugestão, fitando-a curioso. — Como?
— Bem, não sou tão ignorante assim — disse Demetria, acrescentando: — Cresci no campo e vi muitos garanhões cobrirem éguas.
— Não é bem assim que acontece entre homens e mulheres — Joseph apressou-se a esclarecer.
— Como não? Certa vez, surpreendi o cocheiro que cuida do estábulo com a criada que fora buscar leite em cima de um fardo de feno no celeiro e...
— Por favor, pare, Demetria — Joseph sussurrou, pois sua mente dera um salto, projetando uma imagem de Demetria vestida de criada debruçada sobre um fardo de feno, com a saia levantada até a cintura e ele envolvendo-a por trás. Afastando a imagem da mente, ele respirou várias vezes fundo e procurou corrigir o que dissera, explicando: — Pode ser desse jeito, mas não na primeira vez. Na primeira vez é melhor que os dois estejam um de frente para o outro.
— Entendo — Demetria murmurou e ele estava quase respirando aliviado por terencerrado o assunto quando ela perguntou: — Por quê?
Joseph pigarreou e respondeu:
— Porque a primeira vez talvez não seja muito confortável para você.
— A sua primeira vez foi desconfortável? — Demetria quis saber.
— Não.
— Então por que a minha seria?
Era uma pergunta mais que razoável, só que Joseph não tinha a menor intenção em entrar em detalhes. Não sabia por onde começar e não queria nem sequer tentar, até que ela disse:
— Está bem, milorde. Vou mesmo perguntar para Taylor.
Rapidamente ele endireitou o corpo e disse:
— Você tem uma... Há uma... É melhor mesmo perguntar a Taylor — finalmente admitiu, sentindo-se um completo idiota. Seria mais fácil fazer a demonstração prática, muito mais do que tentar explicar. A parte de seu cérebro que continha tudo de impróprio, de indecoroso começou a provocá-lo para que fizesse a demonstração naquela noite mesmo, assim não teria mais de se preocupar que Demetria pudesse se recusar a se casar na semana seguinte.
— Desse jeito?
— Hum? — Tirado de seus pensamentos, Joseph viu que Demetria o fitava.
— Ficaríamos nos encarando assim? — ela perguntou.
— Não, você deitada de costas na cama e eu em cima de você —Joseph respondeu automaticamente, já lhe passando pela cabeça a expressão dela cheia de excitação como naquela outra noite.
— Por que eu devo estar deitada de costas?
Joseph olhou para ela, tentando se concentrar e lutando para tirar as imagens que lhe vinham à mente. 


hey gente

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

O Amor é Cego Capitulo IV parte 3

Tirou então a outra perna para fora da janela, respirou fundo, agarrou a mão de Joseph e se projetou para frente.
Por alguns segundos, suspensa no ar, pareceu-lhe não conseguir nem sequer respirar. Joseph puxou-a para si e ela gemeu ao bater no galho em que ele estava sentado. Começava a escorregar para baixo e, por um momento, teve a impressão de que fosse cair, mas Joseph a puxou, segurando-a firme a seu lado.
Ela ficou pendurada entre ele e o tronco da árvore e nada além do ar sob seus pés.
Joseph hesitou um pouco e depois resolveu:
— Vou abaixá-la até o chão.
— É melhor não — Demetria murmurou, agarrando-se ao braço dele.
— O chão está próximo, Demetria. Não estamos tão alto assim. Depois que você descer, eu pulo e caio a seu lado.
Demetria mordeu o lábio e abaixou a cabeça para avaliar a distância.
— Você tem certeza de que não é muito alto?
— Juro que não. Seu quarto fica apenas no segundo andar, Demetria, e esse galho é ainda um pouco mais baixo. Na hora que eu abaixá-la, seus pés quase tocarão o chão.
— Está bem, mas por favor não me deixe cair — ela implorou, medrosa.
Em vez de abaixá-la, Joseph a levantou mais um pouquinho para poder beijá-la no rosto.
— Não posso deixá-la cair, você é preciosa demais para mim.
Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, Joseph curvou-se um pouco para fazê-la começar a descer. Demetria agarrou-se à mão dele e fechou os olhos, certa de que era pesada demais para que ele aguentasse, sem deixá-la cair.
— Você está bem pertinho do chão agora, meu amor. É só se soltar e pular.
— Será que consigo?
— Desconfio que sim.
A segurança da voz de Joseph finalmente fez com que ela se decidisse. Armada de coragem, Demetria soltou a mão dele, Mal começou a cair, aterrissou de supetão. Realmente devia estar a menos de um metro do chão.
Demetria suspirou aliviada.
— Ela está aqui!
O alívio esvaiu-se no mesmo instante em que ouviu o débil comentário. Demetria assobiou em direção à voz e teve a impressão de ver a figura de um dos criados em um dos cantos da casa. Mordendo o lábio nervosa, ela olhou para cima onde Joseph ainda estava suspenso. Tentou chamá-lo baixinho, mas precisava ser ouvida. Ele fazia barulho chacoalhando os galhos na tentativa de soltar a camisa que se prendera em um deles e, ao mesmo tempo, blasfemava irritado por isso.
— Joseph! — insistiu.
— Um minuto, amor. Já, já estarei com você.
Demetria tornou a olhar para o canto da casa e viu o criado que vinha correndo em sua direção. E, atrás dele, vinha todo o pessoal da casa. E, atrás deles, metade dos moradores daquele quarteirão. Todos correndo para ver se ela estava a salvo.
Demetria contemplou aqueles rostos borrados que se aproximavam, sem se dar conta das palavras de alívio que pronunciavam. Então Joseph caiu em pé na sua frente, boquejando-lhe a visão.
— Viu? Até que me saí bem, não foi? — ele perguntou, passando o braço em seus ombros e curvando-se para beijá-la nos lábios.
— Lorde Mowbray!
Joseph ficou petrificado por um instante, depois endireitou o corpo vagarosamente e virou-se para encarar a multidão ao redor deles. Ao voltar-se novamente para ela, Demetria sentiu que ele a mediu com os olhos e teve um súbito arrepio. Deu-se conta então que sua camisola continuava desabotoada, revelando seu colo desnudo aos ali presentes.
Mordendo o lábio, ela desajeitadamente tratou de abotoar a camisola e voltou a olhar para Joseph que agora estava absorto em seu próprio estado de seminudez.
Demetria teve consciência de quão comprometedora era toda aquela situação e ficou perplexa quando Joseph, endireitando os ombros, disse:
— Lady Lovato, tenho a honra de pedir a mão de sua enteada em casamento?
Demetria mastigava a torrada e evitava encarar Taylor. Apesar de não conseguir enxergar a expressão do rosto dela, podia sentir seu olhar toda vez que voltava a cabeça para a direção em que estava sentada.
A madrasta estava furiosa com ela desde a noite do incêndio. Ela não tocara no assunto do ocorrido, nem após voltarem para casa depois do fogo ter sido extinto. O fogo começara no hall perto do quarto de Demetria, impedindo que, pelo lado de dentro da casa, alguém pudesse se aproximar da porta para avisá-la. Aquela parte do hall, seu quarto e os quartos de dois criados haviam sido os únicos cômodos destruídos; o salão sob seu quarto ficara também muito danificado por causa da água. Por sorte, todo o resto da casa estava perfeitamente em ordem, só exalando ainda um pouco o cheiro da fumaça.
Demetria passara a ocupar o quarto de hóspedes desde então e estava praticamente sem roupa. Tudo o que estava guardado no quarto fora queimado. Para remediar a situação, haviam sido encomendados às pressas dois ou três vestidos para ela.
Logo após o pedido de casamento, Joseph havia sugerido a Taylor que, durante a reforma que teria de ser feita, Demetria ficasse na casa de sua mãe, mas a madrasta não consentiu, deixando bem claro, com uma atitude de desdém, que não voltaria atrás. Embora tratasse Joseph com a maior frieza, ele fingia não perceber o desprezo da mulher e, quando de suas visitas, ambos, Demetria e ele, procuravam ignorar tanto o silêncio dela quanto os olhares glaciais que lhes dirigia. Também não tinham muita alternativa. Desde aquela noite, Taylor não permitirá que ficassem sozinhos por um único minuto sequer. Demetria sentia-se inconformada. Os proclamas já haviam sido publicados, o casamento fora marcado para duas semanas depois do incêndio, e tudo estava em ordem. Taylor deveria estar satisfeita. Afinal de contas, havia conseguido um conde para sua enteada. Mas era óbvio que não estava.
Demetria suspirou e mordiscou a torrada, remoendo a mesma preocupação e temor que lhe assaltaram desde a noite do incêndio. Sentia-se dividida. Não poderia deixar de estar mais feliz diante da perspectiva de se casar com o homem que amava, especialmente depois da experiência que tivera com ele na cama, provando que dormir com ele não seria sacrifício algum. Tinha, porém, o receio de que Joseph tivesse se sentido obrigado ao casamento depois do que havia acontecido e, portanto, acabasse não sendo feliz ao lado dela.
Não desejava a própria felicidade à custa da dele. Preferia enfrentar mais uma vez o escândalo sozinha, se fosse o caso. Havia sobrevivido ao primeiro, sobreviveria a esse também. Na realidade, era o que esperava ao serem flagrados por todas aquelas pessoas. O pedido de casamento de Joseph a surpreendera tanto quanto parecia ter enfurecido Taylor.
A porta da sala de jantar foi aberta, e Demetria voltou os olhos, estreitando-os para enxergar melhor quem entrava. Lá estava um homem alto, de cabelos grisalhos.
— Pai! — exclamou, reconhecendo-o de imediato enquanto começou a caminhar em sua direção.
— Olá, Clary! — John Lovato abraçou a filha, envolvendo-a no aroma de fumo de cachimbo.
— Que bons ventos o trazem, meu pai?
— Como eu poderia deixar de vir correndo ao saber da notícia de casamento da minha filhinha? — ele brincou.
Demetria lançou um olhar em direção a Taylor. A madrasta não mencionara que havia escrito ao pai.
— Também lhe trouxe alguma roupa. Sua madrasta me avisou que quase todas as suas coisas foram perdidas no incêndio.
— Que bom, pai. Obrigada.
— Agora vamos precisar também mandar fazer alguns vestidos de festa. — Lorde Lovato parou para observá-la. — Onde estão seus óculos, Clary?
— Demetria os quebrou — Taylor mentiu. — Logo após meu primeiro bilhete, mandei outro recado para que você trouxesse o par de reserva para que ela possa ver com quem está se casando, mas deve ter chegado depois de sua partida.
Demetria ficou surpresa com essa notícia, também não mencionada pela madrasta. Pelo tom da voz de Taylor, porém, providenciar os óculos naquele momento parecia mais uma maldade do que um gesto de bondade. Não podia entender por que a madrasta achava que seria um castigo poder ver direito o homem com que estava se casando.
— Bem, acidentes acontecem — o pai admitiu calmamente, fazendo com que Demetria voltasse sua atenção para ele. — Estou muito feliz por você, filha. Sempre gostei de Mowbray. Ele é urna excelente pessoa.
Demetria notou que Taylor ficou chocada ao ouvir essas palavras e sua própria surpresa foi maior ainda.
— Você conhece Joseph?
— Conheço, claro. Fui muito amigo do pai dele e nos correspondemos bastante desde a morte de sua mãe. O pai dele era um grande homem de negócios. Conseguia tirar lucro de onde quer que pusesse as mãos. Quando se aposentou, Joseph o substituiu e passei a me corresponder com ele.
— E eu não sabia disso — Demetria murmurou.
— Não havia razão para que soubesse. Nunca havíamos conversado a respeito antes e acredito que nem ele deva ter mencionado para você.
O pai sentou-se à mesa e uma criada apressou-se em servir o chá para ele. Demetria reparou em Taylor. Ela estava com uma expressão amarela no rosto. Foi então que Demetria se deu conta de que o pai não demonstrara afeto para com a madrasta. Ele a tinha abraçado ao chegar, mas nem sequer a cumprimentara. Pela primeira vez se perguntou que tipo de relacionamento os dois teriam. Talvez houvesse uma razão para a amargura e até mesmo para a raiva que Taylor demonstrava.
— Por que você não mostra a galeria para ela?
Joseph piscou sem-graça ao ser pego olhando para Demetria enquanto falava com o pai dela e sorriu timidamente à sugestão de John Lovato.
— Podem ir. Vocês dois me fazem lembrar de mim mesmo e da mãe de Demetria quando tínhamos a idade de vocês. Não parávamos de seguir um ao outro com os olhos, sempre querendo ter o outro na mira. — Ele sorriu ante a doce reminiscência e acrescentou: — Ainda sinto muita falta dela.
Joseph ergueu a sobrancelha.
— E Taylor?
— Taylor. — Lorde Lovato soltou um suspiro. — Taylor foi um erro em minha vida. Achei que Demetria precisaria da ajuda de uma mãe até se tornar mais adulta, especialmente depois do escândalo. Também não queria jogar sobre os ombros dela toda a carga de atribuições domésticas sendo ela ainda tão jovem. Foi um casamento de conveniência. Eu sabia que nunca poderia amar outra mulher como amei minha Margaret. — Ele suspirou novamente e sacudiu a cabeça. — Pensei que Taylor entendesse isso. Aliás, ela disse que entendia perfeitamente. Mas não entendeu coisa alguma. Achou que eu estava apenas vivendo a fase do luto e, tão logo me recuperasse, viria a me apaixonar por ela, como gostaria. Quando percebeu que isso não ia acontecer... — Ele deu de ombros e seu olhar pousou na filha. — Demetria é igualzinha à mãe. Não é só que se parece com a mãe, é a própria materialização de Maggie. Por isso, na cabeça de Taylor, Demetria rivaliza com ela em meu afeto.
— Entendo — disse Joseph pensativo. Isso explicava muito sobre o comportamento da madrasta. Cometia crueldades em nome do que era bom para Demetria.
— Agrada-me ver que você e Demetria se identificaram. Acho que vão ser tão felizes quanto a mãe dela e eu fomos. Agora vá mostrar a ela a galeria — ele insistiu e acrescentou: — Eu ia sugerir um passeio no jardim onde vocês teriam mais privacidade, mas como está chovendo, a galeria é o melhor que posso lhes propor.
— Obrigado — Joseph agradeceu e cruzou a sala a fim de dar a mão para Demetria.
Demetria conversava com a mãe de Joseph, com Mary, uma prima dele, e com Taylor. Pela primeira vez desde que conhecera Joseph, parecia estar se distraindo em um baile. Parecia até mesmo feliz. No entanto, quem parecia infeliz era Taylor. Ao contrário de Demetria cuja felicidade transparecia rio olhar, a fisionomia de Taylor não escondia a tristeza e a depressão. Se não fosse pelo número de vezes que deliberadamente fizera Demetria sofrer, Joseph teria até pena dela.
Aquele era o primeiro baile de que participavam desde o incêndio. Taylor se negara a deixar Demetria ir a outros sem a companhia dela e se recusara a ir a qualquer um, alegando que não suportaria o escândalo. Com a chegada de John, porém, tudo havia mudado. Ele havia insistido para que saíssem naquela noite e insistira para que Joseph os acompanhasse, fazendo-o ir na carruagem deles. Era notório o esforço de lorde Lovato para que Joseph se sentisse incluído na família.
— Joseph?
Ele sorriu diante da voz segura de Demetria ao aproximar-se. Apesar de sua visão deficiente, ela parecia reconhecê-lo sempre.
— Sim, querida ele confirmou. — Seu pai sugeriu que eu mostre a você a galeria.
Taylor começou a esboçar um protesto, mas calou-se. Não podia contrariar a vontade do marido. Dando um amplo sorriso, Demetria pegou a mão que ele lhe oferecia e levantou-se, saindo ambos então do salão de baile.
— Não imaginava que você e meu pai fossem tão bons amigos — disse ao caminharem pelo hall em direção à galeria.
— Bem, talvez não sejamos amigos tão íntimos assim, mas nos correspondemos com muita frequência. Ele é uma ótima pessoa.
Eles entravam na galeria e Joseph estava tão encantado observando tudo que não viu uma mulher à sua frente e colidiu com ela.
— Lorde Mowbray
Joseph abaixou os olhos ao ouvir aquela voz rouca e apertou os lábios ao ver de quem se tratava.
Lady Blanche Johnson.
Seu olhar percorreu os cabelos loiros platinados e o corpo exuberante da mulher. Havia dez anos que não se encontravam e teria ficado feliz se a não a visse por mais uns cinquenta. Essa mulher o magoara muito. Ela era uma víbora. Fora a única pessoa que não virara o rosto ao ver sua cicatriz. Sorrira e flertara com ele. E aceitara suas carícias com prazer.
Somente depois de atraí-lo para a casa dela e seduzi-lo que ele compreendera quem de fato ela era. Logo após fazerem sexo, ainda suados e
Ofegantes, ela começara a rir às gargalhadas, comentando que sempre achara os tipos bizarros excitantes e ótimos de cama.
Joseph congelara no chão do quarto onde tinham sido tomados pelo fogo de uma aparente paixão. Fora ficando com o estômago revoltado à medida que ela ia mencionando alguns de seus “estranhos” amantes. Insinuara que um anão e um corcunda haviam até então sido seus favoritos, mas a experiência com ele havia sido ainda melhor. Completara dizendo que pessoas do tipo deles estavam sempre prontas para agradar.
Joseph deixara Londres duas horas mais tarde. Parecera-lhe não haver mais qualquer razão para permanecer ali. A maior parte da cidade achava repugnante olhá-lo e ele não estava interessado em ser bizarro para ninguém.
— Minha nossa, você continua atraente como sempre — Blanche elogiou, colocando a mão no peito dele.
Joseph tirou a mão de maneira tão ríspida que poderia até tê-la machucado, mas tudo o que viu nos olhos de Blanche foi excitação.
— Lady Johnson, permita-me lhe apresentar minha noiva, lady Demetria Lovato— disse ele, com um frio aviso no olhar.
— Olá. — Blanche nem sequer se deu o trabalho de olhar na direção de Demetria. Havia gula em seus olhos acinzentados. Sem desviá-los de Joseph, comentou: — Que jovem de sorte você é por conquistar um garanhão como ele.
Joseph viu Demetria franzir as sobrancelhas e apertar os lábios. Sentiu a raiva crescer dentro dele. Lady Johnson estava se arriscando um jogo perigoso.
— Depois de levar sua amiguinha de volta, passe pela minha casa para tomarmos um drinque, milorde. Ficarei feliz em recebê-lo — Blanche murmurou.
O comportamento de Blanche era um insulto para Demetria, o que Joseph não permitiria.
— Um único drinque com você já é mais que suficiente, Blanche — ele revidou secamente, dispensando deliberadamente o título de lady. Dando-lhe as costas, em uma atitude de evidente desprezo, pegou Demetria pelo braço e afastou-a da loira, que ficou plantada à porta.
— Ela parece... interessante — comentou Demetria, insegura, enquanto percorria com Joseph o longo salão com pinturas enfileiradas.
— Na verdade, ela não tem nada de interessante — ele assegurou.
— Não sei, não.
Demetria ficou em silêncio por algum tempo. Joseph observou que ela mordia os lábios. Parecia que queria lhe dizer alguma coisa, mas se conteve ao passarem por um outro casal.
— Joseph, preciso lhe dizer uma coisa... não quero... bem, se você não quiser se casar comigo, não se sinta obrigado.
Joseph congelou, sentindo-se tomado de ansiedade.
— O quê?! — perguntou atônito, tentando logo esclarecer: — Demetria, Blanche não significa nada para mim. Eu não a vejo há dez anos.
— Ah, não precisa se justificar, milorde. Não estou dizendo isso por causa dela. É que... sei que você fez o pedido porque fomos surpreendidos naquela noite. Não quero que se case comigo somente para evitar um novo escândalo.
—Você não quer se casar comigo? —Joseph perguntou, em um tom de voz mais áspero do que pretendia.
— Claro que quero! — apressou-se Demetria a responder e soou tão sincera que ele relaxou de imediato. Ela então acrescentou: — Mas não ponho a minha felicidade acima da sua. Prefiro sofrer um escândalo do que...
As palavras ficaram suspensas no ar porque Joseph agarrou-a pelo braço e a arrastou dali, voltando ao hall. Lá ele abriu uma porta, mas ao ver que naquela sala havia gente, fechou-a de maneira abrupta. Tudo o que ele desejava era provar a Demetria que ele queria, sim, e muito, se casar com ela, não tendo nada a ver com os escândalos. Era evidente que os acontecimentos daquela noite haviam precipitado as coisas, entretanto, mais cedo ou mais tarde ele teria pedido a mão dela. Ela precisava acreditar nisso e só havia uma maneira de provar-lhe. Mas era preciso que tivessem privacidade para que pudesse fazê-lo a seu modo.
Joseph olhou de um lado para outro do hall e puxou Demetria até a porta seguinte, abriu-a e constatou que essa sala também estava ocupada. Ao abrir uma terceira porta e verificar que a sala também estava ocupada, ele olhou desanimado ao redor. Notou então uma porta diferente das demais. Ao abri-la descobriu que dava para uma minúscula despensa. Ele imaginou que o hall não estaria vazio por muito tempo, então empurrou Demetria despensa adentro.
— O que viemos fazer aqui? — ela perguntou confusa, ao vê-lo afastar algumas peças para abrir um pouco de espaço para os dois.
Em vez de responder, Joseph espiou para fora, para se certificar de que o hall estava mesmo vazio, e fechou a porta.
— Joseph? — Demetria insistiu e foi calada com um beijo. Havia nele um fogo acumulado nos vários dias em que não pôde fazer outra coisa senão observá-la rir, falar e sorrir.
Visivelmente confusa e assustada, no primeiro momento Demetria permaneceu imóvel nos braços dele, mas esse momento durou muito pouco, pois logo seu corpo se derreteu em contato ao de Joseph e seus braços o envolveram.
Joseph gemeu quando ela começou a ronronar de prazer, agarrando-se a ele feito uma gata manhosa. A maciez daquele corpo movendo-se contra o dele e aqueles mesmos gemidos o haviam enlouquecido nas duas vezes anteriores.
Na primeira vez, consciente da presença da mãe do outro lado das portas francesas, encontrara forças para se conter e parar de beijá-la, fazendo-a voltar ao salão de baile.
Na segunda vez, no quarto dela, não havia ninguém do outro lado da porta, nada que o forçasse a se controlar. Apesar de tentar resistir, ele deixou os escrúpulos de lado e se entregou a todo tipo de carícia que desejava que ela conhecesse. E teria feito mais se o fogo não o tivesse interrompido.
Naquela despensa agora, precisaria de um grande autocontrole ou acabaria fazendo amor com ela encostada na parede. Certamente não era a melhor iniciação para uma virgem. Mas seu corpo não parecia se importar. Como Demetria continuasse a suspirar e ronronar e roçar seu corpo ao dele, seu corpo respondia com ereção, não conseguindo deixar de corresponder aos movimentos dela. Joseph dizia a si mesmo que aquilo era tudo o que lhes era permitido, mas suas mãos ignoravam a razão: uma desceu até abaixo da cintura, pressionando o corpo delgado contra o seu, enquanto a outra foi buscar a maciez do seio, acariciando-o e apalpando-o.
— Oh, Joseph ... — Demetria murmurou, arfando quando Joseph interrompeu o beijo e seus lábios deslizaram por seu pescoço. Ela soltou um novo gemido que só fez a ereção dele aumentar.
Nesse momento Joseph desejou que estivessem casados. Ele a levaria direto para casa e para a cama. Não conseguia pensar em mais nada, todo o seu corpo reagindo à mão de Demetria que, curiosa, tocou em sua ereção.
— O que tem em suas calças, milorde, que fica me cutucando? — murmurou ela quase sem ar, obtendo apenas um choramingo como resposta.
Joseph queria implorar para que ela o tocasse com maior pressão, que descobrisse por conta própria o que era, que simplesmente enfiasse a mão sob as calças para poder sentir desnuda a força de seu desejo.
— Quanto falta para o casamento agora? — ele perguntou aflito.
Demetria fez uma pausa, respirando pesadamente e tentou calcular. Levou uns minutos para que respondesse dado ao estado em que se encontrava.
— Uma semana, milorde.
— Tudo isso?
— Parece muito, mas não é.
Joseph ficou paralisado ao ouvir o comentário vindo de fora da despensa. Por um breve momento, teve a sensação de que havia outra pessoa lá dentro com eles. Estava escuro ali e não dava para enxergar coisa alguma, mas percebeu que Demetria estava muito assustada, pois seu corpo se enrijecera junto ao dele.
Joseph hesitou e finalmente perguntou a Demetria:
— Não é a voz de seu pai?
Antes que ela pudesse responder, a voz do outro lado da porta riu:
— Sou eu, sim.
Blasfemando, Joseph procurou se afastar de Demetria o máximo possível dentro daquele cubículo, endireitou os ombros e abriu a porta para saírem. Estava até meio preparado para levar um soco ou receber uma proposta de duelo ao amanhecer. Deparou-se, porém, com um John Lovato risonho, encostado na parede oposta à despensa, com uma expressão das mais divertidas.
Joseph esboçou um sorriso amarelo.
— Me desculpe, senhor — tentou justificar-se. — Demetria pensou que eu queria me casar com ela apenas para poupá-la do escândalo e eu estava tentando provar que a quero por ela mesma.
— Era isso o que você estava fazendo? — Demetria perguntou surpresa, saindo da despensa.
Joseph ia responder, mas ao ver o estado dela, tentou imediatamente desamassar sua roupa antes que alguém a visse. John Lovato também se aproximou para ajudar, levantando os cachos de cabelo desmanchados por Joseph.
— Sim, era o que eu estava fazendo — respondeu ele, procurando endireitar o outro lado do vestido. — Que outro motivo teria para enfiá-la em uma despensa?
— Me beijar — disse Demetria com simplicidade.
Joseph voltou os olhos para o rosto divertido de John Lovato e suspirou.
— Tem razão, Demetria, mas quis beijá-la para provar o quanto a quero, que meu pedido não foi um mero gesto de cavalheirismo da minha parte.
Ela pareceu perplexa ao ouvir o comentário.
— Mas por que simplesmente não me disse, milorde?
— Santa ingenuidade! — John Lovato disse, rindo, e explicou: — Porque os homens não pensam da mesma maneira que as mulheres, Clary. As mulheres falam, os homens agem. E por isso que foi criada a expressão “homem de ação”
— Entendi — retrucou Demetria, não parecendo ter entendido coisa alguma. Joseph deu um passo para trás para examiná-la. O vestido estava em ordem, mas aparentemente o pai estava tendo dificuldade em arrumar o cabelo dela. Na verdade, ela estava bastante despenteada.
Lorde Lovato olhou para a cabeça da filha, franziu a testa e se voltou para Joseph.
— Você saberia arrumar?
— Não — Joseph confessou, sem-graça —, mas talvez minha mãe saiba. Aguardem aqui que vou buscá-la.
John aquiesceu com a cabeça e Joseph se apressou a ir procurar a mãe. Encontrou-a ainda sentada no mesmo lugar com lady Taylor e Mary. Cochichando, ele explicou o problema. Ela imediatamente se levantou e saiu do salão de baile, mas, no momento em que Joseph se voltou para segui-la, Taylor disse:
— Logo ela terá os óculos novamente.
Joseph gelou e retrocedeu:
— O que disse?
— Enviei um recado a Lovato para que mandassem os óculos de reserva aqui para Londres. Logo deverão chegar. — Ela sorriu. — Assim, Demetria conseguirá enxergar direito e verá com quem está se casando. Ela parece feliz agora. Mas me pergunto se continuará assim quando estiver de óculos.
— Claro que ela continuará feliz — aparteou Mary com firmeza. Levantando-se ela passou seu braço no de Joseph. — Venha, vamos nos juntar a Demetria e a sua mãe.
Joseph permitiu que a prima o conduzisse para fora do salão, sua cabeça girava em um turbilhão. Demetria logo teria os óculos de volta e conseguiria vê-lo. Sua mente entrou em pânico. Ela o enxergaria.
— Você está bem? — Mary perguntou preocupada assim que chegaram ao hall. — Você ficou tão pálido quando Taylor disse que os óculos de Demetria logo chegariam.
Joseph não respondeu, não sabia o que dizer. Não estava se sentindo bem mesmo. De fato, sentia-se nauseado, mas não comentaria nada com Mary.
— Demetria vai amá-lo assim como você é, Joseph.
Ele queria poder acreditar nisso, mas sentia o peito oprimido de medo e dor.
— Onde Mikey está? — perguntou.
— Creio que foi jogar cartas com os homens. Por quê?
— Preciso falar com ele — Joseph respondeu, dando um tapinha na mão da prima. — Obrigado, Mary. Minha mãe e Demetria estão ali. Vou falar com Mikey e depois encontro com vocês.
Mary aquiesceu distraída e perguntou:
— O que houve com o cabelo de Demetria?
— Ficou meio desalinhado, e minha mãe está dando um jeito nele — Joseph explicou, visivelmente preocupado ao ver que o cabelo de Demetria estava ainda pior do que antes.
Balançando a cabeça, Joseph tratou de ir para a sala onde os homens e umas poucas mulheres jogavam cartas. Logo avistou Mikey. O primo estava vibrando quando se aproximou. Devia ter ganhado aquela rodada.
— Mikey, preciso falar com você — disse Joseph, parando atrás da cadeira dele.
— Pode falar.
— Tem de ser em particular.
— Não dá para você esperar eu terminar de jogar?
Joseph hesitou, ponderando a respeito.
— Não — disse afinal.
Mikey deu um suspiro e levantou-se.
— Senhores, me deixem fora desta jogada. Volto em seguida.
— Obrigado, primo — Joseph murmurou ao atravessarem a sala para falar.
— Tudo bem. O que há de tão importante?
— Taylor mandou buscar os óculos de reserva de Demetria.
Mikey o encarou, não entendendo.
— E daí?
— Ela conseguirá enxergar.
Mikey levantou uma sobrancelha e repetiu:
— E daí?
— Ora, não posso deixar que ela me veja...
— Joseph, pense um pouco — Mikey o interrompeu. — Ela vai ser sua mulher e, mais dia menos dia, acabará enxergando. Você não pretende dar continuidade a essa tolice de Taylor e mantê-la cega indefinidamente, não é?
— Não, claro que não, mas...
— Mas o quê? — Mikey exasperou-se.
— Preciso de mais tempo.
— Para quê?
Joseph desviou os olhos, hesitou e disse:
— Talvez se ela vier a me amar antes de conseguir me enxergar...
Vendo o olhar de piedade do primo, Joseph virou o rosto. Engoliu em seco. Parecia que tinha um bolo na garganta. Era um adulto, mas sentia-se como um menino de seis anos ameaçado de perder seu melhor amigo.
— Joseph — Mikey colocou a mão no ombro do primo, encarando-o com firmeza —, em primeiro lugar, seu rosto não é tão feio assim. Em segundo, tenho certeza de que Demetria não se importaria mesmo que fosse. E, em terceiro, se isso afetar os sentimentos dela por você, não é melhor ficar sabendo agora?
Joseph deu de ombros, derrotado.
— Talvez.
— Tudo ficará bem — Mikey assegurou-lhe, dando um tapinha no ombro dele. —Vá usufruir da companhia de sua noiva. Finalmente você pode estar com ela sem ter que fazer planos mirabolantes e fica aí se preocupando. Vá beijá-la, homem.
Joseph observou Mikey voltar ao jogo e virou-se para retornar ao hall. Ficou surpreso ao ver que não havia mais ninguém lá, nem Demetria, nem seu pai, nem sua mãe. Ocorreu-lhe que talvez tivessem conseguido ajeitar o cabelo de Demetria e voltado à festa. Começava a se dirigir ao salão quando ouviu a voz da mãe e depois a de Demetria. Ele parou no hall e olhou ao redor. A porta da sala que ficava ao lado da despensa e que antes estava fechada, agora estava aberta, Ele se aproximou e espiou para dentro da sala. Seus olhos custaram a acreditar no que viam.
— Céus, o que vocês fizeram no cabelo dela? — perguntou entrando na sala. Pegando Demetria pela mão, ele a tirou das garras das duas pessoas que haviam acabado de estragar o penteado dela.
— Está tão mau assim? — Demetria perguntou aborrecida, passando a mão pelo cabelo.
— Não está, não — lady Mowbray apressou-se em responder, sem olhar para o filho.
O cabelo de Demetria, amontoado daquele jeito, mais parecia um ninho de ratos, em nada lembrando o lindo penteado com que chegara à festa.
Joseph balançou a cabeça.
—Mãe...
— Não me venha com repreensão, Joseph. Não fui eu que o desmanchei. Ter coragem de enfiar a pobre Demetria em uma despensa, pelo amor de Deus. Ela só poderia acabar despenteada!
— Bem, está ficando tarde. Talvez seja melhor você levar Demetria para casa de carruagem, filho — John Lovato sugeriu. — Peça ao cocheiro que depois volte para buscar a mim e a Taylor.
— Sim, claro. — Joseph olhou para Demetria, ficando aliviado de que ela não parecia aborrecida com esse desfecho. 

i'm back
demorei a postar por que meu word nao estava colaborando, traduzindo,nao queria abrir. mas ja voltou ao normal
bjemi

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

O Amor é Cego Capitulo IV parte 2

— É, de fato não devíamos — Demetria concordou, afagando os ombros e o peito de Joseph, ao mesmo tempo em que jogava a cabeça para trás, permitindo que ele lhe beijasse o pescoço.
— Não estou tendo o devido respeito para com você — ele sussurrou no ouvido de Demetria, que sentiu um arrepio da cabeça aos pés. Podia ser desrespeitoso, mas estava muito bom.
— Me peça para parar — Joseph murmurou, descendo os lábios pelo pescoço lânguido.
Demetria abriu a boca e soltou um gemido quando ele enfiou a mão pela abertura da camisola e acariciou lhe o seio.
— Talvez... — Joseph acariciou lhe a pele macia e ela arqueou o corpo, invadida por sensações estranhas. Seus músculos latejavam de excitação e uma sensação de calor apoderava-se de suas partes íntimas.
— Talvez, o quê? — Joseph perguntou ofegante.
—Talvez você deva me beijar de novo — disse Demetria arfando, embora soubesse que não era isso que deveria dizer.
Joseph deixou escapar dos lábios um pequeno murmúrio e cobriu os lábios dela com os seus.
Demetria afagou os cabelos macios, retribuindo os beijos com o mesmo ardor e, pela primeira vez, sentiu viva cada uma das partes de seu corpo como nunca havia acontecido antes.
Em virtude de sua inexperiência, no íntimo, tudo o que preocupava Demetria era não estar correspondendo da maneira certa, mas essa preocupação desapareceu quando Joseph soltou um som gutural e seus beijos tornaram-se mais ardentes e exigentes. Aquela reação só poderia ser por estar retribuindo à altura. Então ele a recostou na cama.
— Só um pouquinho — murmurou Joseph, interrompendo o beijo.
— Está bem — Demetria concordou, só desejando que o prazer que estava sentindo não acabasse.
— Só vou tocar um pouquinho em você e prometo que depois eu paro — disse Joseph, e a ideia lhe agradou.
Demetria queria que aqueles momentos durassem uma eternidade. Nunca havia se sentido tão desejada e viva.
Quando Joseph começou a beijar-lhe o seio, Demetria percebeu que ele estava totalmente descoberto. Joseph havia desabotoado vários botões de sua camisola, sem que ela tivesse percebido. O calor da boca brincando com seu mamilo teve o efeito de uma chama acendendo todo o seu corpo.
— Oh — gemeu, passando as mãos dos cabelos para os ombros dele. Tentou então tirar o colete de Joseph, puxando-o dos ombros. O colete desceu um pouquinho e acabou interceptando o movimento dos braços de Joseph, que acabou fazendo uma pausa para tirá-lo ele mesmo.
Demetria deixou que suas mãos deslizassem pelo tecido fino da camisa de Joseph. Não se contendo, levantou o tecido, desejando tocar a pele macia. Joseph parou de brincar com seu mamilo e um “não” quase suplicante escapou-lhe dos lábios. Ele tornou a beijá-la e Demetria puxou o resto da camisa para fora das calças, acariciando as costas.
Joseph gemeu e seus beijos tornaram-se mais fortes e sua língua mais exigente; quando se sobrepôs ao corpo de Demetria, ela pôde sentir toda a virilidade dele ao entreabrir um pouquinho as pernas. Estremeceu de prazer, cravando as unhas nas costas de Joseph.
— Por Deus, Demetria — ele pediu, afastando seus lábios dos dela para beijá-la por todo o rosto. — Precisamos parar.
— Oh, Joseph — Demetria gemeu de prazer, enrijecendo o corpo quando a mão dele acariciou suas pernas e Joseph deslizou os lábios por seu pescoço.
— Peça-me para parar — Joseph implorou, fazendo uma pausa para tirar a camisa, curvando-se depois para beijar e sugar o seio de Demetria.
Demetria ofegante, enterrou as unhas nas costas dele e arqueou o quadril para que ele pudesse acariciar suas partes íntimas.
A mão de Joseph deslizou de suas pernas na tentativa de pegar a bainha de sua camisola e a suspender até as coxas. Ela estremeceu antecipando o que estava por vir e colou seu corpo ao dele.
— Oh, Joseph ... — Demetria arfou, sentindo o corpo pulsar em crescente tensão quando ele tocou suas partes íntimas, agora sem o impedimento de tecido algum.
— Só isso, prometo que não vamos fazer amor — ele sussurrou, beijando-a no cantinho da boca. —Mas preciso tocar em você, sentir o seu gosto.
— Sim... — disse Demetria imediatamente, pronta para concordar com tudo desde que ele não parasse.
Demetria acariciava o corpo de Joseph, pendendo a cabeça para o lado quando a boca dele começou a descer por seu corpo, detendo-se por um momento em um seio, depois na altura de seu abdome e... Seu devaneio foi subitamente interrompido; ela retesou todo o corpo quando ele se ajoelhou entre suas pernas, para que a boca tomasse o lugar da mão que a acariciava. Sua primeira reação foi de choque e vergonha. Ela agarrou a cabeça de Joseph, tentando levantá-la.
— Não quero... você não deveria... Joseph? — murmurou indecisa, desistindo do protesto diante do prazer com que seu corpo respondeu às carícias daquela boca.
Demetria largou a cabeça de Joseph e se agarrou na cama e nos lençóis, sentindo tudo à sua volta girar. Teve então uma vaga consciência de que seus quadris agiam naquele momento por conta própria, movimentando-se para cima na ânsia de receber mais beijos e mais carícias.
— Oh... — Demetria vislumbrou as sombras da vela projetada no teto, mas toda a sua concentração estava voltada para as sensações que estava descobrindo.
— Oh... — Entendia agora por que nasciam tantos bebês.
— Oh... — Joseph lhe parecia o homem mais inteligente da Inglaterra, talvez do mundo.
— Oh... — De repente o desenho do universo passou a fazer sentido.
— Oh... — Definitivamente Deus existia.
— Oh... — O que seria o cheiro de fumaça que estava sentindo?
Demetria aguçou os sentidos, tentando desprender-se da paixão que lhe toldava a mente naquele momento. Inspirou profundamente e, sem dúvida, havia cheiro de fumaça. Voltou o olhar para a vela que Joseph havia acendido, mas, pelo pequeno círculo de luz que conseguia ver, aparentemente não era dela que se desprendia a fumaça.
Talvez fosse imaginação sua, mas era difícil pensar no que quer que fosse quando tudo o que desejava era se deixar levar pelo prazer que sentia, pouco se importando com a causa daquele cheiro. Soltou a mão que apertava os lençóis e enfiou as mãos nos cabelos de Joseph, incentivando-o a satisfazer o desejo de seu corpo.
Receosa de machucá-lo em razão de seu estado de excitação e insensatez, soltou novamente os cabelos dele e voltou a agarrar a cama, enquanto seus quadris continuavam a se mover à medida que a tensão de seu corpo aumentava. Suas mãos apertavam os lençóis, sua cabeça girava em um turbilhão, quando os lábios de Joseph tocaram o centro de sua excitação. Seu corpo vibrou na cama, sentindo cada um de seus poros latejar. Com a respiração acelerada, ela soltou um suspiro e tossiu ao aspirar a fumaça.
Tentando desesperadamente pensar, passada a excitação que a assaltara, Demetria procurou erguer-se um pouco e olhar ao redor do quarto. Seus olhos detiveram-se na porta. Parecia haver uma claridade no vão próximo ao chão e por ela penetrar uma grossa camada de fumaça.
Instintivamente mexeu na cabeça de Joseph, mas ele segurou-lhe as duas mãos e prensou com o peso do corpo as pernas dela para continuar o que estava fazendo.
— Joseph! — ela chamou-o arfando, mas determinada. — Fogo... Oh... queimando.
— Estou queimando por você também. — Ele levantou a cabeça por um segundo apenas para responder e continuou a acariciá-la, decidido que estava a enlouquecê-la de prazer.
— Não... Oh... não — Demetria tentou mais uma vez avisá-lo, lutando para conseguir livrar suas mãos, mas Joseph continuava a prendê-las. Finalmente, conseguindo liberar uma das mãos, ela o puxou com força pelos cabelos.
Com os olhos fixos na luz sob a porta, Demetria mais uma vez gritou: “Fogo!”, mas sentiu novamente a tensão começar a se apoderar de seu corpo, crescendo em novas ondas intermináveis de prazer até se tornar uma massa trêmula e frágil jogada na cama.
Joseph finalmente levantou a cabeça e, embora com a mente entorpecida, Demetria percebeu o movimento dele para deitar-se a seu lado. Ele abraçou seu corpo inerte, beijou sua testa, depois franziu as sobrancelhas, aspirou o ar, levantou a cabeça, aspirou novamente o ar e perguntou:
— Não está cheirando fumaça?
— Está, sim. — Demetria suspirou, com um sorriso nervoso no rosto. — Acho que a casa está pegando fogo.
— O quê!? — Joseph exclamou, e ela foi subitamente deixada de lado; ele se levantou e correu até a porta. Tentou abri-la uma vez, depois forçou-a com as duas mãos, mas não fez qualquer diferença. Como não conseguisse, colocou a mão em sua superfície, praguejou e retornou rápido até a cama.
— Por que você não me avisou?
— Mas eu tentei disse Demetria, constrangida. — Disse fogo, que algo estava queimando e tentei empurrar sua cabeça.
— Oh, é verdade. Pensei que você... Deixa isso pra lá. — Joseph deu uma olhada para a janela, pegou então a mão dela e puxou-a para fora da cama. — Vamos, temos que sair daqui.
Demetria levantou-se e quase desmontou no chão. Joseph segurou-a, preocupando-se:
— O que você tem?
— Estou com as pernas moles. Me dê um minuto.
Ele hesitou por um instante, depois tomou-a nos braços e a carregou até a janela.
— O que você está fazendo? — Demetria perguntou, surpresa.
— A porta está muito quente, sinal de que o fogo está logo ali. Precisamos sair pela janela.
— Meu Deus! — Demetria exclamou assustada quando ele a colocou no chão e debruçou-se na janela a fim de olhar para fora. Ela não tinha boa coordenação. Mesmo com os óculos, já era meio desajeitada. A ideia de tentar sair pela janela não lhe agradava nem um pouco.
— Não se preocupe, vou ajudá-la — Joseph procurou tranquiliza-la, colocando uma perna para fora da janela e sentando-se no peitoril. Em seguida, ele esticou os braços e sumiu de vista. Demetria se aproximou da janela e olhou para fora. O lado positivo é que não conseguia enxergar a altura em que estava. Odiava alturas. O lado negativo é que não conseguia enxergar nada. Sentiu então Joseph tocar sua mão.
— Segure minha mão. Vou ajudá-la.
— Está bem. — Demetria respirou fundo e pegou na mão dele. Segurou-a firme, sentando-se de lado no parapeito, tentando tirar uma perna para fora, como ele havia feito, mas achando que a camisola tolhia seu movimento.
Depois de uma pequena hesitação, Demetria ponderou que Joseph já tinha visto o que havia sob a camisola e levantou-a até as coxas para conseguir se movimentar melhor. Tentou então ver o que Joseph estava fazendo e conseguiu vislumbrar sua silhueta, graças à camisa branca que ele usava e que contrastava com a escuridão do céu e das árvores ao redor.
— Basta dar um impulso para frente e eu a porei neste galho. — A voz de Joseph soou calma e confiante. Demetria fez o possível para concentrar-se nisso e ignorou seus medos. 


reapareci ne? desculpa sumiço, estava tentando me concentrar na fic que to fazendo
ta dando muito certo nao.
mas enfim.... é isso por enquanto


-norte americana coreana mais cuti cuti ♥♥♥♥♥♥♥