terça-feira, 27 de setembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 29 parte I

Demetria ficou horrorizada quando acordou pressionada profundamente contra o corpo de Joseph. Era óbvio que passava muito tempo após a hora de dormir e ela tinha dormido direto durante o resto da tarde e além da refeição da noite.
Seu marido estava dormindo em sua cama e seus braços estavam apertados em volta dela, para que seu corpo estivesse perfeitamente alinhado com o seu.
Por um momento, ela suspirou e ficou nesse estado delicioso entre o sono e a vigília.
Provavelmente estava perto da hora em que a fortaleza iria começar a acordar e começar o novo dia, mas ela se recusava a se mover de seu lugar quente nos braços de seu marido.
Mas lembrou-se de Nora falando no dia anterior quando as mulheres do castelo subiam para fazer os fogos e ter certeza que estavam queimando nas câmaras e também no grande salão, de modo que o frio estaria fora dos quartos quando os guerreiros começassem o seu dia.
Infelizmente, ela levantou a partir do calor da cama e silenciosamente adicionou lenha para a lareira. Não havia brasas da noite anterior, por isso teve que usar uma das velas queimadas para adicionar chama a madeira.
Uma vez que uma chama crepitante havia começado e estava convencida de que seu marido iria acordar com um fogo bom, ela alisou as rugas do vestido que vestiu na noite anterior. Então, rapidamente puxou o resto de seu cabelo em torno para trançá-lo.
Quando ela terminou, desceu as escadas em busca de Nora ou das outras mulheres. Sufocando seu bocejo, entrou na cozinha para encontrar Mary acendendo um fogo na lareira grande que ela usava para cozinhar.
Demetria não perder a surpresa nos olhos de Mary, quando olhou para cima e viu Demetria. Mas foi rapidamente mascarado e dirigiu Demetria sobre a tarefa de acender o fogo nas duas lareiras no salão.
O que ela não se incomodou em dizer a Demetria era como deveria trazer a madeira para tal tarefa. As lareiras eram enormes e as toras que usavam eram muito maiores do que as menores usadas nas câmaras.
Não a ponto de deixar um detalhe insignificante como esse a impedi-la de realizar sua tarefa, foi para fora, tremendo quando olhou para o céu antes do amanhecer, que estava apenas começando a clarear levemente no leste.
Sua respiração saiu em um sopro visível e o ar estava úmido e frio em seu rosto.
Como se esperava, ela encontrou uma pilha de lenha grande, onde toras maiores estavam empilhadas contra a parede de trás da fortaleza, fora da porta que saia da cozinha.
Ela conseguiu arrancar uma das toras de seu lugar, e caiu no chão a seus pés. Ela empurrou-o para cima e depois percebeu que não havia nenhuma maneira que pudesse levantá-la, começou a rodá-la em sua borda.
Quando ela chegou aos degraus de pedra que levavam de volta para o castelo, ela franziu a testa e olhou para a tora que ela segurava em pé.
Um passo de cada vez. Ela não teve que levantá-lo por muito tempo. Apenas o suficiente para arrasta-lo em cada degrau, por sua vez, até que chegou ao topo.
Bufando de esforço, ela se esforçou para levantar a tora apenas o suficiente para que pudesse deslizar sobre o primeiro degrau. Por vários momentos, ela estava lá bufando com o esforço, e então ela se preparou para pegá-lo para o próximo degrau. Até o momento ela conseguiu chegar ao degrau mais alto, estava trabalhando por vários minutos.
Ela apoiou-o no degrau mais alto, apoiando-se sobre isso quando olhou para a pilha de toras atrás dela. Assim nunca conseguiria trazer o suficiente para colocar o fogo no salão pelo tempo que os homens começassem a surgir para baixo para quebrar o jejum?
Bem, ela certamente não ia terminar a tarefa ficando aqui de pé choramingando sobre isso, isso era certo.
Determinada a não ser feita de boba, ela rolou a tora para a lareira, aliviou-a para o chão, e em seguida, voltou por outra.
Depois de quatro mais viagens, ela tinha madeira suficiente para iniciar o primeiro fogo. Estava tão exausta e cansada que suas mãos tremiam quando foi para manobrar a madeira dentro do buraco. Ela tinha o primeiro situado e estava preste a pegar de volta para a próxima quando uma mão bateu em seu ombro.
Assustada, ela recuou e tomou uma expressão horrorizada de um dos soldados mais jovens. Ele parecia tão chocado que ela franziu a testa, sem entender o que tinha feito de errado.
“Minha senhora, isso é meu dever para colocar as toras a cada manhã. Não é nenhum trabalho para uma moça do seu tamanho. Por favor, deixe-me terminar. Não desagradaria ao Senhor tendo sua esposa a fazer uma tarefa tão árdua. Suas mãos, minha senhora. Elas estão sangrando. Por favor, vá ter uma das mulheres a olhando.”
Ela olhou com espanto ao ver que suas mãos estavam rasgadas e sangrando de sua luta com a madeira. Talvez tivesse entendido mal a Mary, ou ela simplesmente leu as palavras erradas de seus lábios. Ela pensou que era sua tarefa definir os fogos, mas ela ficou ferozmente feliz que não teria que lutar com mais madeira para o corredor. Suas costas doíam horrivelmente, e agora que ele tinha chamado a atenção para as mãos, elas estavam começando a arder.
Joseph ficaria furioso e a última coisa que ela queria era que os outros membros de seu clã vissem que ela não conseguia nem segurar a tarefa de trazer madeira sem isso rasgando em consequência suas mãos delicadas.
Sua túnica tinha mangas longas o suficiente para que pudesse esconder as mãos. Ela não usava um sobre sua bainha esta manhã, mas tinha a certeza de vesti-lo de modo que ninguém iria ver o estrago que tinha feito para as palmas das mãos e dedos.
Por enquanto, ela tinha que encontrar um lugar para lavar-se em privado. Um olhar fora lhe disse que o sol já espreitava sobre o horizonte, o que significava que seu marido estaria fazendo uma aparição breve.
Ela abaixou-se para fora do salão depois de agradecer ao jovem que tinha tomado para si a tarefa de acender o fogo e, em seguida, ela se dirigiu para a torre de vigia.
É uma inconveniência ter que passar por um guarda cada vez que ela queria caminhar até o rio, mas supunha que ela pudesse apreciar A dedicação Joseph com a segurança de seu povo.
Ela chamou para o guarda, com certeza estava berrando desde que colocou toda a sua força por trás da chamada. Ele enfiou a cabeça para fora, franziu a testa como se ela fosse completamente louca, e depois balançou a cabeça.
Um momento depois, apareceu um cavaleiro, olhando nada satisfeito que ele tinha que acompanhar Demetria fora do portão. Ele provavelmente temia faltar em seu jejum.
“Eu só vou ao rio para lavar as mãos,” disse ela para o cavaleiro. “Não há nenhuma razão para você me acompanhar. O guarda pode ver claramente para o caminho que estou tendo.”
O cavaleiro não parecia impressionado com seu discurso e ele ignorou-a, andando para frente e, em seguida, olhando para ela com expectativa.
Descontente com sua rudeza, ela caminhou, andando em um ritmo tranquilo em todo o orvalho umedecido no chão em direção ao rio. Havia um frio diferente para o ar, mas ela gostou, revigorada após a desgastante tarefa de lutar com as toras para o fogo.
Uma vez que ela chegou ao monte onde tinha tomado seu mergulho improvisado apenas alguns dias atrás, ela se ajoelhou e colocou as mãos na água fria.
Sangue já tinha começado a secar em alguns lugares onde a pele estava irritada e rasgada. A água foi um choque para as áreas cortadas e estremeceu quando começou a puxar as lascas das feridas.
Foi então que ela percebeu as bolhas do dia anterior. Duas tinha estourado e lamentou o líquido claro, mas havia ainda várias bolhas apertadas que ainda não tinha estourado. Ela suspirou, sabendo que provavelmente adicionaria mais algum esta manhã.
Quando se levantou, seu estômago roncou e então apertou em um nó que teve sua hesitação vacilante. Ela não tinha jantado na noite anterior e agora era tarde para quebrar o jejum. Se ela se apressasse, ainda poderia estar a tempo.
“Onde diabos está minha mulher?” Joseph exigiu, sua voz crescendo ao longo do corredor.
Um de seus soldados, que estava cuidando do fogo parecia inquieto em direção a Joseph e Joseph pegou essa expressão e avançou.
“Você já viu a sua Senhora esta manhã?”
Anton engoliu nervosamente. “Sim, Senhor. Ela estava...” Ele fez uma careta e depois continuou em uma corrida. “Ela estava trazendo as toras para os fogos no salão. Eu a parei, é claro, e disse a ela que era meu dever de assistir os fogos. Ela parecia aliviada, mas depois saiu correndo e não a vi desde então.”
“Ela estava fazendo o que?” Joseph rugiu.

olha, isso vai dar a maior merda to falando...lagrimas irão rolar, corações quebrarem....
#tenso
bjemi

2 comentários:

  1. Eitaaa... Kkkkk joseph ficou bravo
    Possta logoo

    ResponderExcluir
  2. Vish.. o pau vai torar kkkkkkk.
    Posta mais

    ResponderExcluir