sexta-feira, 9 de setembro de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 19

Demetria suspirou de contentamento absoluto quando Joseph a levou pelo pátio e para o castelo. Ela manteve os olhos fechados, porque estava determinada que nada iria estragar esse momento. Não os olhares de seus membros do clã. Não as observações. Nenhum insulto.
Ele levou-a para o castelo e, em seguida, subiu as escadas, e só então ela abriu os olhos quando a levou pelo corredor até seu quarto.
Selena estava adicionando madeira para o fogo quando Joseph entrou na sala. Ela levantou e depois fez um gesto em direção à cama.
“Eu coloquei um vestido para ela usar e há uma pele aquecida pelo fogo como você pediu.”
Demetria não levantou a cabeça assim não poderia ver a resposta de Joseph, mas isso retumbou em seu peito. Ela podia sentir a vibração, não só em seus ouvidos, mas contra sua pele.
Ela amava o som e a sensação de sua voz. Fazia muito tempo que foi capaz de ouvir, de modo que não podia fazer nada, apenas ouvi-lo falar. Ele tinha que ter a voz mais maravilhosa do mundo. Por que mais isso se sentia tão delicioso em seus ouvidos?
Selena deu a Demetria um pequeno olhar que dizia: ‘Você está por conta própria’ antes que ela partisse da câmara. Não que importasse a Demetria em tudo. Adorava ter o marido para si mesma quando falava diretamente com ela e não havia outros para intervir ou fazer coisas como derramar toda cerveja em Demetria.
Ela estava gostando muito da ideia de Joseph como seu marido, se pudesse avançar para além da estranheza causada por seus próprios enganos passados. Ela sabia que devia, em algum momento, revelar-se totalmente a ele, mas quando? E iria arruinar qualquer ternura que sentia em relação a ela? Ou será que ele na verdade só sentia ternura, porque era um objeto de piedade?
Isso a fez ter um nó no intestino, porque tudo isso ia realmente maravilhoso, mas também poderia ir muito, muito errado, e a qualquer proteção que a beneficiava atualmente, porque ela era vista como deficiente e isso poderia evaporar se a verdade fosse conhecida.
Joseph colocou-a em frente ao fogo, e em seguida, levantou a pele que Selena teve a intenção de aquecer. Ela olhou rapidamente para cima, não querendo perder uma única coisa que Joseph falasse.
“Vou segurar a pele e você pode desembrulhar o cobertor de você e, em seguida, envolva-se nisto até que esteja seca e quente o suficiente para vestir.”
Ela podia ver o desconforto em seu rosto e a fez curiosa. Será que ele não a via como uma mulher? Isso não poderia ser o problema em tudo. Ele beijou-a. Respondeu a ela como um homem faz a uma mulher. Ela tinha visto seus pais beijarem. Tinha visto os outros em seus abraços apaixonados no clã. O que ela e Joseph tinham compartilhado tinha certamente balançado até seus ossos.
Talvez ele não a quisesse como uma mulher. Talvez ele nem a queria como esposa. Era óbvio que ele não queria uma esposa e ele provavelmente não tinha mudado de ideia por conta disso.
Mas nenhum deles tinha sido dada uma escolha na matéria e na mente de Demetria era melhor fazer o melhor de uma situação ruim. Ela gostava de Joseph. Quanto mais tempo passava em sua presença, mais ela começava a gostar e até mesmo respeitar o homem que ele era.
Tinha sido gentil com ela e tinha mostrado sua compreensão. Qualquer homem que pudesse fazer isso com a filha de seu inimigo mais odiado, ele não era um homem mau.
Lentamente, ela deixou o cobertor cair e Joseph apressadamente pressionou a pele para ela. Ela sorriu e enfiou-a debaixo de seus braços e depois a segurou em torno enquanto ela se sentou no banco. Então, deu um tapinha no lugar ao lado dela, na esperança de que ele, também, tomasse um assento e se secasse em frente ao fogo.
“Eu preciso tirar essas roupas molhadas,” disse ele.
Ela assentiu com a cabeça e virou-se, porque era óbvio que ele estava desconfortável em despir em sua presença. Mas ela não podia evitar a manter o suficiente de um ângulo para que pudesse ver o seu contorno.
Ela estava extremamente curiosa sobre o corpo do marido e queria vê-lo. Ela nunca tinha visto um homem totalmente nu antes.
Prendeu a respiração quando ele rapidamente retirou sua túnica e suas calças. Ele virou-se para o lado quando chegou para roupas secas no baú, ao pé de sua cama.
Ele era... Ela não tinha certeza de que tinha as palavras adequadas para transmitir seu espanto e admiração. Ele tinha o corpo de um guerreiro, mas era... bonito.
Pernas grossas, musculosas, assim como seus braços e ombros largos. Na conjuntura de suas pernas era uma espiral escura de pelos e sua virilidade... Ela engoliu em seco, não querendo ser pega olhando, mas estava fascinada por essa parte específica de sua anatomia.
Ela sabia o suficiente de todo o processo de acasalamento para saber o que era, mas não poderia envolver sua mente em torno de como. Parecia muito grande para caber dentro dela sempre, e tanto quanto queria ser uma verdadeira esposa e consumar seu casamento, não podia imaginar que isso poderia ser feito sem dor e esforço da parte dela.
Ainda assim, esse passo era importante, se era para ser uma verdadeira esposa de Joseph e queria isso. Queria a sua aceitação e, finalmente, a aceitação do seu clã, se eles pudessem chegar a esse ponto. Ela não queria ser para sempre a mulher que Joseph Jonas foi forçado a casar, nada mais do que uma penitência que tinha que pagar pela paz forçada com o clã de seu pai.
Ela rapidamente forçou seu olhar para frente quando Joseph terminou de se vestir, e um momento depois, se estabeleceu no assento ao lado dela diante do fogo.
Ela olhou para ele, não querendo perder nada do que ele dizia, mas ele permaneceu em silêncio, com o olhar focado sobre as chamas.
Talvez ela devesse beijá-lo novamente. Certamente queria, mas estava nervosa sobre a receptividade que ele seria agora que ela já não tinha o elemento surpresa.
Ela lambeu os lábios em antecipação e continuou a olhar para ele.
Como se sentindo a força do seu olhar, ele se virou em sua direção. Seus olhos castanhos brilhando com a luz do fogo e parecia estudá-la, quase como se pesando seus pensamentos e palavras.
“Eu não sei o que fazer com você, Demetria Lovato.”
Ela podia sentir a resignação na forma como ele segurou seu corpo e a expressão em seu rosto. Ela franziu o cenho, não gostando das implicações de tal declaração.
“Eu não sei se o que estou sentindo é certo e não gosto da culpa que me atormenta por desfrutar do nosso beijo, como eu fiz.”
Ela sorriu, com o coração mais leve do que de repente tinha estado apenas momentos antes. Ela sentiu-se subitamente tímida e teria evitado seu olhar, mas sabia que era muito importante ser capaz de ver o que ele iria dizer em seguida.
Em seguida, ela chegou até tocar o queixo, movendo lentamente os dedos sobre os lábios. Ele fechou os olhos, parecendo encontrar prazer em seu toque. Antes que ele pudesse reabri-los, ela levantou-se para pressionar a boca contra a dele.
A pele aquecida caiu parcialmente longe de seu corpo, mas ela não deu nenhuma atenção quando seus lábios cobriram a linha firme de sua boca. Ela queria saboreá-lo novamente, para tomar sua língua dentro de novo e senti-lo contra a sua própria.
Sua respiração vibrou contra seus lábios quando ele soltou um suspiro. De resignação? De rendição? Ela não sabia, só que sua boca se separou e sua língua acariciou calorosamente sobre a dela, retornando seu beijo na medida certa.
Não parecia haver nenhuma relutância, nenhum sinal de que ele estava lutando contra esta emoção fortalecendo entre eles.
Era o mais doce prazer que Demetria nunca tinha experimentado. Ela queria que o momento durasse para sempre, mas Joseph foi o primeiro a se afastar, com os olhos semicerrados, enquanto olhava para ela.
Gentilmente, ele a colocou para longe dele. Parecia mais simbólico do que uma separação simples, quase como se fosse erguer uma barreira visível entre eles, ou que talvez ele precisasse da distância.
“Tenho assuntos para atender,” disse ele.
Sem olhar para ela de novo, ele se levantou e caminhou até a porta de sua câmara. Ela não olhou por cima do ombro, como tentada estava a fazê-lo. Estava exultante e desanimada tanto pelo beijo e as reações resultantes.
Ela olhou para suas mãos por um longo momento, reunindo suas emoções descontroladamente espalhadas. Não tinha nenhuma experiência em assuntos do coração. Sua exposição a um potencial marido tinha sido desastroso e prometeu nunca se permitir em uma situação como a que ela teria se encontrado com Ian McHugh. E a verdade da questão era que ela não tinha uma escolha com Joseph, e poderia ter sido tão ruim quanto ou pior do que qualquer casamento com Ian. Ela tinha tido apenas sorte que Joseph não parecesse disposto a ter mal uso dela e que mostrou sua bondade em vez de vingança.
Respirando fundo, ela se levantou, permitindo que a pele caísse, e então foi até a cama onde Selena tinha colocado um vestido para ela vestir. Não permitiria que nada estragasse hoje. Não os membros do clã rancorosos. Nem suas próprias dúvidas e receios ou seus medos de revelar a verdade para Joseph.
Ela gostava de seu primeiro beijo, seu primeiro gosto da paixão, e o despertar de um desejo que ela queria seguir.
Sabendo que Selena provavelmente estaria curiosa para saber o que levou Joseph a leva-la de volta para o castelo e que ela podia até mesmo estar preocupada, Demetria desceu as escadas, determinada a enfrentar o desafio.
Ela era a esposa de Joseph, seja seu clã a querendo aceitar ou não. Ela aceitou, e se teve seu caminho, Joseph aceitaria isso em breve. Com o tempo, o seu clã iria seguir o exemplo. Ela tinha que acreditar nisso.
Quando ela chegou ao final das escadas, respirou fundo e virou a porta que conduzia para o corredor. Correu para a extremidade onde era a saída para o pequeno corredor que abrigava o pequeno quarto onde Selena gostava de passar tanto tempo.
Mas o quarto estava escuro, peles abaixadas sobre a janela, e Selena não estava à vista. Com uma carranca, Demetria voltou para a sala, decidindo se aventurar na fortaleza, onde ela espera descobrir o paradeiro de Selena.
Onde antes a sala tinha estado em sua maioria vazia, exceto por algumas mulheres indo e voltando da cozinha, Demetria ficou cara-a-cara com uma multidão verdadeira, ou pelo menos parecia assim com tantos bloqueando seu caminho para o pátio.
Na linha de frente do grupo de mulheres — cinco mulheres Demetria contou — estava Kierstan, cuja expressão ranzinza só poderia significar que isto não ia ser um encontro amigável.
Os lábios de Kierstan se curvaram. “Prostituta.”
Demetria piscou em surpresa. Por um lado, não era o seu método habitual de insulto. Demetria tinha realmente pensado que a moça em seu vocabulário limitado tinha um único insulto.
As outras mulheres assentiram, suas expressões tão ferozes como a própria de Kierstan.
“Você não vai levar nosso Senhor com suas artimanhas sedutoras.” Kierstan continuou. “Ele é um homem, e os homens podem ser seduzidos por um rosto bonito e um corpo disposto. Mas você não vai nos enganar. Nós não vamos deixá-la esquecer quem é o que você é. Você nunca vai ser bem-vinda aqui, cadela Lovato.”
Fúria quase cegou Demetria. As outras mulheres soavam com insultos, sem dúvida. Todas concordando com Kierstan e apoiando suas declarações. Mas Demetria não poderia manter-se acompanhando suas bocas. As mulheres juntaram borrando sua visão quando ela foi tomada pela raiva.
Demetria voltou-se para a enorme lareira no centro do salão. Uma lareira, onde duas espadas pairavam sobre o manto. Elas estavam dentro do alcance e duvidava que eram de uma batalha verdadeira. Elas pareciam ser mais ornamentais. Mas no momento ela não se importava.
Uma certamente ajudaria na sua causa.
Se elas queriam loucura, daria a elas.
Ela correu para a lareira, ergueu-se na ponta dos pés, e puxou a espada, rezando para que viesse livre e, em seguida, rezando para que não pesasse tanto que ela não conseguiria nem levantar.
A haste era velha e desgastada e a lâmina não tão grossa ou tão grande quanto os seus familiares usavam ou até mesmo aquelas que tinha visto os guerreiros Jonas transportar.
A espada saiu sem protesto e raiva alimentava sua força quando ela cambaleou sob o peso. Ela se voltou para as mulheres que agora olhavam para ela com inquietação.
Ela caminhou para frente, segurando a lâmina alta, e gritando, sem preocupar-se com o quão alto as palavras saíssem. Ela não se importava se as vigas tocassem com isso.
A palavra — uma palavra — que ela podia articular ondulado de seu tórax e apertou fora de sua garganta com toda a força que podia reunir.
F-F-FORA!


DEMI FALOU! 
ja pensaram a reaçao do Joseph quando ouvir ela falando?
bjemi

5 comentários:

  1. Simplesmente amei !!!! Posta mais um hoje? Por favor * - *

    ResponderExcluir
  2. Omg posta mais tem q ser hj faz maratona bjsss ta perfeito

    ResponderExcluir
  3. OMG, OMG, realmente eu tive a reação da foto que você postou no grupo, meu Deus, preciso de mais!!!!!

    Posta Logo.

    ResponderExcluir
  4. Mds��������

    ResponderExcluir
  5. Mds .. Possta logoooo pelo amor de Deus!

    ResponderExcluir