quinta-feira, 14 de julho de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 8

Joseph subiu os degraus para a câmara que lhe tinha sido atribuído. Como convidado de honra, tinha sido dada um quarto na ala superior, enquanto seus irmãos haviam sido atribuídos para o quarto de dormir comum, onde muitos dos guerreiros dormiam em camas enfileiradas nas paredes.
Desde que o seu quarto era próximo ao do conde de Dunbar, ele se perguntou se o conde tinha sido o único a insistir neste respeito a ser dada a Joseph. Lovato teria provavelmente querido todos no acampamento do lado de fora das muralhas da fortaleza com o resto de seus homens. Ou melhor, ainda, nunca terem posto os pés em terra Lovato para começar.
Joseph abriu a porta, só querendo uma cama para a noite. Amanhã ele casaria e depois voltaria para casa para enfrentar a inevitabilidade de seu futuro. Ou a falta dela. Ele não era um homem que se concentrava no negativo, mas pela primeira vez sentiu uma certa tristeza, porque qualquer sonho de ter herdeiros e passar seu legado para a sua linhagem se foi. Como era qualquer pensamento de vingança contra o clã que tinha assassinado seu pai.
Quando ele entrou, ficou surpreso ao ver as velas já em chamas e um fogo posto na lareira. Mas estava ainda mais surpreso ao ver Demetria à beira de sua cama, sua expressão guardada quando ela olhou para ele.
Ela usava o mesmo vestido que tinha estado mais cedo no dia. Enquanto Senhora Lovato tinha vestido para a ocasião para cumprimentar seus convidados — embora indesejada — Demetria pela primeira vez o saudou em um vestido simples, que era semelhante a um vestido de trabalho usados por outras mulheres no clã. E talvez porque era tão simples, só tinha demonstrado uma comparação mais gritante entre a beleza de Demetria e a simplicidade de seu vestuário.
Mas, então, Joseph não estava certo de que havia um único item que ela pudesse usar que iria diminuir o que claramente era uma moça bonita.
Demetria parecia estar preocupada que ele estaria irritado com a intrusão. E ele devia estar. Foi uma intromissão em sua vida privada, mas também era impróprio para ela ficar sozinha com ele em seu quarto, na véspera de seu casamento. Sua família ficaria indignada se eles soubessem de seu paradeiro, e que poderia pôr em causa a sua própria honra que ele tão zelosamente guardava.
E ainda não conseguia mostrar qualquer temperamento para a moça.
Sem saber o que deveria fazer, continuou no quarto, fechando a porta atrás dele. Depois de um momento se virou para olhar para ela, e podia ver uma sugestão de aumento de cor em suas bochechas, refletida na luz de vela suave.
Ela parecia angelical. Impossivelmente bela. Ele nunca tinha visto nada igual a ela. Não era que ela era a mulher mais bela que já tinha visto, mas era facilmente a mais...
Ele franziu a testa. O que mais?
Havia algo muito irresistível sobre ela e não poderia mesmo colocar seu dedo sobre isso. Faltava-lhe as graças praticadas das mulheres mais velhas e mais maduras. Mas nem ela parecia uma moça muito jovem para um homem mesmo olhar.
Ela era... apenas perfeita.
Dentes de Deus, ele estava desejando mais de sua noiva? Repulsa o encheu. Ele devia tratá-la com cuidado e gentilmente. Era óbvio que havia algo estranho com a moça, mesmo que não soubesse a extensão, e aqui ele estava olhando para ela como uma futura esposa com todos os benefícios inerentes.
Não importando que ela fosse uma Lovato. Estava claro que ela não poderia ser punida ou culpada pelas ações de sua família quando era provável que ela não tinha conhecimento da maioria das coisas ao seu redor.
Por mais que ele não queria rotular qualquer Lovato de vítima, ele tinha inteligência suficiente para saber que ela não merecia esta união mais do que ele merecia ser forçado a isso.
Ela seria levada de sua casa — refúgio seguro a única que tinha. De todos que protegia e amava — e era óbvio que ela era bem amada por sua família. Ela seria empurrada em um ambiente hostil. Poderia algum Lovato encontrar um lugar no clã Jonas? Estava indo para ser uma questão difícil, não importando como ele a tratasse, e foi ela quem acabou perdendo mais, enquanto tudo o que ele ganhou foi uma mulher indesejada e a trégua relutante com os Lovato.
Como se ela tivesse crescido impaciente com ele de pé e olhando para ela, ela ficou com uma expressão leve e então atravessou a sala diante dele. Ela estendeu a mão para seu rosto e sua reação automática foi recuar a distância.
Dor sombreou seus olhos e ela agarrou-lhe a mão para trás, uma carranca transformando seus lábios para baixo.
Entristecido que ele de alguma maneira a machucou, ele cuidadosamente se abaixou, pegou sua mão e, em seguida, levantou-a de volta para o queixo, onde ela quase tocou antes. Ele não tinha ideia de sua intenção, mas iria ver o que acontecia.
Ela sorriu e novamente foi atingido por um sorriso tal que transformou seu rosto inteiro em um raio de sol. Seus dedos deslizaram delicadamente sobre sua mandíbula áspera e aos lábios. Seus olhos arregalaram quando ela tocou a boca e depois empurrou para cima e para baixo em seus lábios.
Quando ele não reagiu imediatamente, ela franziu a testa e apertou com mais força. Então, ela tirou os dedos e pressionou o indicador e o polegar em suas bochechas, apertando para que seus lábios franzidos fossem para fora.
Franzindo a testa mais difícil, ela olhou para ele como se dissesse: Você não entende? Parecia claro que a moça queria que ele falasse.

Ele quase riu. Todo mundo a tratava como uma pequena simplória, mas aqui ela estava agindo como se ele fosse um idiota sem sentido.
Ela queria que ele falasse. Do que, ele não tinha ideia, mas estava claro que queria que ele dissesse alguma coisa.
“Você não deveria estar aqui, Demetria,” disse ele gentilmente. “Não é adequado e se o seu pai souber, ele quase certamente irá declarar guerra, o que mais seguramente desagradaria o nosso rei.”
Sua testa franziu mais profunda e ela deu-lhe um olhar feroz. Em seguida, ela balançou a cabeça e levantou as mãos, como se dissesse, que sabia?
Ela colocou seu dedo de volta para os seus lábios, mas agora ele sabia o que ela queria. Com um suspiro, ele a levou para uma cadeira perto da lareira e fez sinal para ela se sentar. Arrastou a bancada pela janela no chão para que ele pudesse se sentar perto dela.
Eles estavam lado a lado e antes que pudesse pensar em mais algo a dizer, ela se levantou e virou a cadeira, posicionando-a de modo que ela estava de frente para ele. Em seguida, ela se virou para baixo e se inclinou para frente, com os olhos focados atentamente sobre ele.
Ele nunca se sentiu tão instável. Sua língua parecia presa e não tinha ideia do que dizer para a moça. Seria muito mais fácil se ela falasse, porque então podia fazer perguntas. Sim, ele poderia responder a perguntas com bastante facilidade, mas apenas para chegar a um tópico?
Ele não era alguém que falava muito bem e nunca foi muito para conversas casuais. Ele era mais direto ao ponto. Seus irmãos, muitas vezes provocavam dizendo que arrastar mais do que algumas palavras com ele eram como tentar empurrar uma corda pelo buraco de uma agulha.
Então... ele ia falar sobre o casamento. Desde que o casamento aconteceria amanhã, ele só poderia supor que foi por isso que ela estava aqui em seu quarto. Talvez para apaziguar seus medos? Descobrir se ele era algum abusador horrível das mulheres? Quem diria?
Ele limpou a garganta, odiando como inseguro, toda essa situação era. Dê-lhe uma espada e alguém para matar. Ele podia lidar com isso muito bem. Mas uma mulher sentada na frente dele, olhando avidamente enquanto esperava que ele falasse? Não é exatamente o assunto de qualquer treinamento que ele e os seus homens já tinham sofrido.
“Você entende que amanhã vai se casar,” ele começou bruscamente.
Ela sorriu e acenou com a cabeça.
Sorrindo era bom. Pelo menos ela não tinha fugido de sua câmara como os cães do inferno foram beliscando sua cura. Mas isso ainda não lhe disse que ela totalmente compreendia as ramificações de seu casamento.
“Você também entende que, assim que a cerimônia for concluída, vai deixar o seu... o castelo... e viajar de volta para as terras Jonas?”
Sua expressão ficou séria, mas ela balançou a cabeça novamente.
“Na verdade, eu não tenho nenhuma ideia do que fazer com você, Demetria Lovato,” ele admitiu. “Não tinha planos para uma mulher ainda. E quando fizesse, eu, claro, teria escolhido uma moça do meu próprio clã. Alguém que estava bem acostumada à vida como um Jonas e alguém bem versado na administração de um castelo. Meus homens...”
Ele parou por um momento, porque ela estava inclinando a cabeça para trás e para frente ao mesmo tempo em que seu olhar foi rebitado... em sua boca. Mas havia uma expressão — tal de prazer? — Em seu rosto que ele levou em surpresa.
Ele limpou a garganta novamente para continuar, optando por ignorar o seu comportamento estranho. “Meus homens e eu treinamos diariamente. Tenho outros assuntos para atender como chefe. Meu clã vem a mim para resolver disputas, as queixas, para pedir orientação.”
Seu olhar se voltou para um de impaciência e ela balançou a cabeça. Ela fez um movimento, um movimento amplo circulando como se para abranger todo o castelo e, em seguida, deu-lhe um outro olhar impaciente, como se para lembrá-lo que ela era filha de um chefe e sabia muito bem os deveres do proprietário de terras.
Joseph suspirou. Então, ela não queria um resumo de seus deveres como Senhor. Não que ele a culpava. Não era uma conversa chispando no melhor, mas então ele não gostava de conversas longas.
“O que você gostaria de discutir, Demetria?”
Que soava ridículo, dado que ela não podia falar, mas era óbvio que não tinha nenhum gosto para os temas que ele abordava.
Seu sorriso voltou e ela se inclinou para frente e dirigiu um dedo para ele e, em seguida, pressionou-o em seu ombro.
“Eu?” Ele perguntou, incrédulo. “Você quer falar sobre mim?”
Ele não conseguia manter o horror de seu tom de voz ou expressão. O que ele deveria dizer? Sentiu como se fosse a julgamento. Colocado diante do rei e da corte e um bando de acusadores forçados a prestar contas de si mesmo diante de Deus.
Como ela poderia fazer ele se sentir tão sangrento inseguro?
Ela sorriu imensamente então, seu rosto inteiro se iluminou, e ela balançou a cabeça vigorosamente.
Dentes de Deus, ele precisava ter a moça fora de seu dormitório. Isto era loucura. Tudo isso.
Mas ele não podia olhar para o brilho em seus olhos ou seu olhar suplicante e manter a dureza que geralmente cercava seu coração e mente. O que o homem em toda a Escócia poderia sentar-se diante desta beleza sedutora e possivelmente lhe dizer não?
“O que você quer saber?” Perguntou ele rispidamente. Em seguida, percebendo o quão estúpido era questionar uma mulher que não tinha como responder, ele sacudiu a cabeça. “Não importa o que. Foi insensato da minha parte.”
Ainda assim, ela olhou para ele com expectativa, esperando o que ele ofereceria. E ele não tinha ideia do que dizer a ela sobre si mesmo. Ele não se sentia bem em avaliar a si mesmo, suas escolhas ou sua vida. Ele só... era. Ele era chefe de seu povo, e com isso veio grande responsabilidade. Não tinha tempo para mergulhar em seus pensamentos ou refletir que tipo de homem ele era.
Talvez tudo o que ela precisava era ser tranquilizada. Ocorreu a Joseph que ele tinha dado certeza ao seu pai e sua mãe, que suas intenções para com Demetria não eram desonrosas, mas Demetria não tinha tido conhecimento desses mesmos votos.
Sim, isso era provavelmente o que ela queria ouvir, e foi algo que poderia confortavelmente discutir.
“Demetria,” ele começou com cuidado, querendo se certificar de que tinha toda sua atenção. Mas ele não precisava ter se preocupado porque ela ainda estava olhando avidamente em seu rosto. Na verdade, o seu olhar nunca o tinha deixado. Nunca se sentiu tão escrutinado.
“Quero que você saiba que não a responsabilizo pelos pecados de sua família.”
Ela franziu a testa — ou melhor — ela fez uma careta — o rosto uma expressão feroz que o divertiu por sua fofura.
“Entendo que você está inocente das acusações e que você é uma vítima nisso. Vou tratá-la gentilmente e com o respeito devido a sua posição como a filha de um chefe e agora a esposa de um chefe. Não vou nunca punir a filha pelos pecados do pai.”
Ela empurrou em cima da cadeira, e para sua surpresa total, fechou o punho e socou bem no nariz.
Ele cambaleou para trás, sua mão indo automaticamente para o lugar que ela atingiu. Não que ela o golpeou com força o suficiente para fazer qualquer dano ou causar qualquer dor real. Ele estava mais espantado com a reação dela do que qualquer coisa.
Ela pisou forte, seus pés, fazendo sons rápidos, apesar da forma exagerada em que ela estava tentando mostrar a sua raiva.
Ela abriu a porta e ele estava de pé imediatamente, sabendo que, se ela conseguisse bater a porta — que ela parecia muito ter a intenção de fazer — iria acordar os outros nas câmaras adjacentes e, em seguida, todos estariam no corredor para vê-la pisando para fora de seu quarto.
E depois? Tudo viraria um inferno.
Ele pegou a porta exatamente quando ela soltou e entrou no corredor. Então ele ficou lá um bom tempo, respirando respirações pesadas quando assistiu ela desaparecer pelo corredor mal iluminado.
Maluca ou não, ela claramente não gostava que sua família fosse ser menosprezada de qualquer maneira. Ele sorriu com tristeza. Admirava a lealdade. Ele exigia. Mal podia respeitar a moça se ela tivesse sentado estoicamente e aceito tudo de mal, que ele falasse de seu clã.
Ele calmamente fechou a porta e, em seguida, virou-se para começar a despir-se para a cama.
Então ele riu.
A moça tinha sido uma surpresa total e absoluta, e ainda não tinha ideia o que na terra faria com ela.
A única coisa que ele podia ter a certeza de que possivelmente ele nunca se esqueceria dela ou o que cada dia traria a partir deste dia em diante.


ele ficou desconsertado com essa visita hein
bjemi

2 comentários:

  1. Hahahahaahah to morrendo com a Demi ter batido nele

    Posta logo

    ResponderExcluir
  2. Hahahahaahah to morrendo com a Demi ter batido nele

    Posta logo

    ResponderExcluir