quinta-feira, 28 de julho de 2016

NUNCA SEDUZA UM ESCOCÊS Capitulo 11 parte II

Joseph estava conversando com o grupo reunido do clã Jonas. Ele tinha o braço livremente sobre os seus ombros. Percebeu tarde demais que ele estava a apresentando ao seu clã e virou tarde demais para saber o que ele disse.
Fosse o que fosse, não caiu bem para a maioria, porque as expressões cresceram ainda mais descontentes, e ela pegou mais alguns comentários depreciativos que se formaram nos lábios das pessoas que se reuniram.
Ela nunca tinha se sentido tão sozinha e aterrorizada em sua vida. Não era apenas uma recepção hostil. Não era bem-vinda. Sua pele arrepiou sob o escrutínio a estreitando. Ela se sentiu julgada e considerada indigna.
Automaticamente o queixo subiu em rebelião silenciosa. Ela não iria permitir que essas pessoas a fizessem se sentir inferior nem que a assustasse. Ela era filha de um Senhor. Um dos mais poderosos em toda a Escócia. Ela não seria intimidada por nenhum Jonas. Ela não iria envergonhar os Lovato aparecendo fraca diante deste clã.
Joseph a levou para a entrada da fortaleza. Eles caminharam por várias das mulheres do clã, e nenhuma delas ofereceu sequer um sorriso na direção de Demetria.
Demetria manteve seu olhar treinado para frente, não querendo ver o que era que tinham a dizer. Ela já tinha visto o bastante para saber que a sua presença era ultrajada.
O salão era maior do que o grande salão Lovato. O salão era amplo, com duas lareiras de pedra grandes, uma em cada extremidade. Havia um estrado com uma mesa que poderia facilmente assentar uma dúzia de pessoas. Espalhadas pelo resto do salão estavam várias outras mesas, sinalizando que muitos comiam dentro do castelo.
Na frente da outra lareira estava uma área de estar. Havia várias cadeiras e um descanso pequeno para sustentar os pés da pessoa. Era claramente um lugar de lazer.
Este era o lugar onde Joseph a estava levando. Ele a puxou para baixo em uma das cadeiras mais suaves que estava virada para o fogo queimando. Estudou-o de perto, com medo de perder qualquer diretiva que ele pudesse dar a ela.
“Você gostaria de comida e bebida?”
Ela estava com fome, mas a ideia de colocar qualquer coisa em seu estômago foi o suficiente para fazer suas entranhas torcer em protesto. Ela estava muito nervosa para comer.
“Se você esperar aqui, mais um momento, vou voltar e mostrar seus aposentos. Vou providenciar para que todos os seus pertences sejam trazidos e guardados para você.”
Ela nem sequer teve tempo para acenar com a compreensão antes de ele se virar e desaparecer no corredor.
Ela sentou-se, imóvel, com medo de respirar para que não chamasse mais a atenção para si mesma. Jonas passava dentro e fora do salão, obviamente, com a intenção de ver a nova adição ao clã.
Não encontrou nenhum rosto amigável. Nada para tranquilizá-la ou oferecer-lhe conforto. A tristeza de deixar sua casa e seu clã foi mais sentida neste momento.
Ela estava realmente sozinha e trancada em um mundo silencioso, onde as pessoas pensavam que era nada mais do que a filha louca de seu inimigo mais odiado.
Um momento depois, Joseph voltou, e veio para onde ela se sentava e ofereceu sua mão para ela. Intrigada, ela deslizou seus dedos nos seus e permitiu-lhe ajudá-la a seus pés.
Ele estava dizendo alguma coisa, mas ele se virou e começou a guiá-la em toda a sala. Estava frustrada que ela não era capaz de ver o que ele disse.
Ela tentou acelerar o passo para que pudesse se mover à frente dele apenas o suficiente para que pudesse olhar para trás, mas não foi capaz de manter o ritmo com ele.
Ele estendeu o braço quando chegaram as escadas, gesticulando para ela ir à frente dele. Relutante, ela subiu as escadas e, quando chegaram ao patamar do nível seguinte, ele guiou-a para fora em vez de tê-la continuando a subir as escadas.
Havia várias câmaras no corredor. Perto do fim, ele parou, abriu a porta, e gesticulou para dentro.
Era uma pequena câmara, mas não minúscula. Havia duas janelas, que lhe disse que era um quarto de canto, porque havia uma de cada lado. Peles pesadas foram afastadas de uma enquanto a outra permanecia coberta, presas por laços de couro para evitar que o vento batesse nas extremidades.
Luz solar fluía no quarto, iluminando, sem necessidade das velas que iluminavam o corredor. Havia uma cama contra a parede oposta, um lavatório e uma cadeira perto da lareira pequena. Fora isso, o quarto não era adornado ao todo. Era evidente que ninguém se hospedava aqui, exceto talvez na qualidade de convidado.
Ela se virou para Joseph, confusa por que ele lhe mostrou essa câmara. Ele gesticulou em volta e então disse, “eu vou ter seus pertences trazidos e ter alguém para ajudar você a desembalar e arrumar tudo. Talvez seja melhor se você descansar antes da refeição desta noite.”
Ela olhou com surpresa, então olhou mais uma vez para o quarto onde estavam. Este era para ser o quarto dela? Ela franziu a testa, sem saber o que fazer com isso. Joseph era seu marido. Devia compartilhar seu quarto com ela. Essa era a maneira das coisas. Seu pai e sua mãe tinham compartilhado uma câmara desde que Demetria poderia se lembrar. Na verdade, seu pai se oporia mais fortemente a sua esposa dormindo em outro lugar.
Ela estava a ser relegada a uma posição de convidado? Uma convidada indesejada.
Joseph virou no quarto, deixando-a sozinha para franzir a testa enquanto ela ponderava a situação. Não, isso não era certo. Não era certo em tudo.
O lugar da esposa era com o marido. Não empurrada em um quarto de hóspedes, juntamente com todos os seus pertences. Devia haver uma maneira de resolver esta situação de uma só vez.


Joseph nao deve ter percebido o que esta ocorrendo em sua volta
mas..COMO ASSIM COLOCAR ELA EM OUTRO QUARTO?
ele nao bate bem né?!
bjemi

2 comentários:

  1. Joseph migo assim não da pra te defender!!!!
    Melhor ele resolver isso logo

    Posta logo!!!!!

    ResponderExcluir